Pesquisar neste blog

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Programação do Carnaval 2017 de Apodi RN

Matéria copiada do blog do Cassinho Morais


A Prefeitura de Apodi, através da Secretaria Municipal de Turismo, divulgou a programação detalhada do Carnaval 2017. Com apresentações da sexta-­feira (24) até a madrugada de quarta (01/03), o novo formato é a principal novidade.

Na sexta-feira (24/02), será a abertura com o pronunciamento oficial do prefeito Alan Silveira. A festa ficará por conta de Farra de Playboy, às 23h, em cima do trio na praça Robson Lopes.



No Sábado (25/02), tem início os arrastões do mela­ mela. A partir das 18h, Dan Ventura e os Meninos puxam a multidão da praça Robson Lopes até o Calçadão da Lagoa. Às 23h, Dário Villa comanda a festa no palco, enquanto Danilo Nikson se prepara no trio para tocar a partir de 1h da madrugada. A partir das 2h da manhã, Flávio e Pisada Quente assume a folia no palco principal.


No domingo (26/02), é hora de colocar a cara no sol com o É o Tchan. Antes, se apresentam Danilo Nikson e Dário Villa. Já o arrastão será animado por João Neto Pegadão.


Na segunda (27/02), o arrastão do mela ­mela será animado por Aline & David, às 18h. No Calçadão, a festa tem prosseguimento a partir das 23h com Som e Balanço no palco e Dário Villa no trio. Já pela madrugada, o mais querido do momento vem com tudo para deixar todo mundo louco. Jonas Esticado assume a festa às 2h da madrugada no palco.


Na terça (28/02), ele está de volta para agitar o nosso arrastão: Municipal Santos. Às 23h, Farra de Playboy toca no palco. Em seguida, Danilo Nikson assume no trio. Às 2h da madrugada, João Neto Pegadão anima a festa até o início da manhã de quarta-­feira (01/03), quando Saia Elétrica assume o último e mais animado arrastão do Carnaval 2017.


Com informações PMA (Via Mossoró Hoje)

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Francisco Lima fez história em Apodi


Verso da foto

Lembrança do dia 31 de janeiro de 1972, do Vereador Francisco Lima, eleito em 1º lugar na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (M.D.B), que ao término de seu mandato, em 31 de janeiro de 1973, cumprindo com seu dever ressalta as saudades dos seus legítimos regulamentares companheiros das mais legendas partidárias no exercício do seu mandato.
Apodi, 31 de janeiro de 1973.

Quem escreveu o texto acima, foi a senhora Alice Pinto. Na foto acima da esquerda pra direita: Alice Pinto, Chiquinho Lima e Caboclo de Manu.

Francisco Lima teve dois mandatos de vereador em Apodi pelo MDB, foi professor vários anos no sítio Baixa Fechada e atuou como advogado - parceiro de Dr Alvani Maia de Brejo do Cruz - PB, participou também das diretorias da FUNDEVAP, ACDA e fundou o Sindicato Patronal de Apodi, trazendo na época um consultório odontológico, que atendia a muita gente.

Filhos de Fancisco Lima: Edvan Lima, Erivan Lima, Eci Lima, Roberto Lima, Plínio Lima, Etiene Lima, Eni Lima, Eliene Lima e Galega.

Em conversa com Edivan Lima, ele disse que não entende como as autoridades não fazem nenhuma homenagem ao verador Francisco Lima. Poderia se ter o nome de uma rua, de uma escola ou de outas repartições públicas do município.

Imagens de: Apodi Antiguidades

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Poeta José Leite é escolhido como Patrono da Biblioteca do IFRN Campus Apodi


Na última semana, ocorreu a votação online para a escolha do patrono da Biblioteca do IFRN Campus Apodi. Servidores e alunos elegeram o escritor apodiense José Leite (1916-1997) para  nomear o referido setor, ficando os nomes de Manoel Coriolano e Martins de Vasconcelos em segundo e terceiro lugares, respectivamente.

O homenageado viveu sua infância ao lado dos irmãos, trabalhando no cultivo da terra e sendo alfabetizado no Grupo Escolar Ferreira Pinto. Aos 63 anos de idade, tornou-se bacharel em Direito, na cidade de Souza/PB. Em Mossoró, participou de diferentes instituições e movimentos culturais, além de escrever inúmeros livros de crônicas e poesias, em que a terra natal figura como tema principal. Por sua produção literária, José Leite é patrono de uma das cadeiras da Academia Apodiense de Letras - AAPOL.

A afixação da placa com o nome do patrono da Biblioteca será feita durante a III Semana de Linguagens do Campus Apodi, que ocorrerá de 6 a 10 de março. 


Fonte: Portal do IFRN - Campus Apodi 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Gilvan Alves - vereador


JOSÉ GILVAN ALVES, mais conhecido como “GILVAN ALVES”, filho de José Alves de Lima(“Zé de Pedro”) e Dona Rita Alves de Lima(“Rita de Félix”), até os 13 anos de idade residiu no Sítio Bamburral em Apodi/RN, onde estudou e concluiu o primário. Estudou na Escola Estadual Professor Gerson Lopes, onde concluiu o Ensino Fundamental e na Escola Estadual Professor Antonio Dantas, onde concluiu o ensino Médio. É Bacharel em Ciências Contábeis e Direito e, fez especialização em Direito Tributário pela LFG.

GILVAN ALVES foi Agricultor, trabalhou em Serraria na confecção de portas e janelas, foi Bolsista do Banco do Nordeste do Brasil S.A. – BNB, foi Estagiário do Banco do Brasil S.A., foi Servidor Público da Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio Grande do Norte, e atualmente é Servidor Público do quadro efetivo do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte – TJ/RN, na função de Oficial de Justiça, desde o ano de 1997, sendo o ingresso em todos esses cargos através de Concurso Público.

Em sua trajetória de vida, GILVAN ALVES acumulou experiência profissional nas áreas da Contabilidade Comercial, Industrial, de Serviços e na Contabilidade Gerencial e atuou em diversos setores como: Presidente da CDL de Apodi, FUNDEVAP, Movimentos Sociais e Estudantis (foi líder de classe por diversas vezes). Foi Venerável da Loja Maçônica Vale do Apodi por 02 (dois) mandatos. Foi membro fundador e duas vezes Mestre conselheiro do Capítulo Príncipe Vale do Apodi da Ordem Demolay.

No ano de 2005 filiou-se ao  Partido Comunista do Brasil(PCdoB) em Apodi/RN, e  em 2007 assumiu a Presidência do Comitê Municipal do PCdoB de Apodi, onde iniciou um trabalho juntamente com outros companheiros e lançaram em 2008 uma chapa puro sangue que disputou a Prefeitura de Apodi encabeçada por Flaviano Monteiro e José Maria da Silva ambos do PCdoB, além de uma nominata de candidatos a Vereador, onde conseguiram eleger 02 (dois) membros do PCdoB para o legislativo apodiense.

Em 2010, foi um dos responsáveis na luta pela candidatura de um filho de Apodi para disputar uma das cadeiras da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte, quando lançaram Flaviano Monteiro para Deputado Estadual, tendo o mesmo uma expressiva votação na cidade de Apodi/RN, que ultrapassou 55% dos votos válidos para Deputado Estadual no município.

Hoje, GILVAN ALVES faz parte dos quadros do PTdoB em Apodi/RN, além de atuar em vários segmentos da sociedade apodiense na defesa de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento do Município de Apodi em parceria com instituições não governamentais.

Nas eleições municipais de 2016, foi candidato a vereador de Apodi pelo Partido Trabalhista do Brasil(PT do B), sendo eleito o  3º mais votado do municipio, com 1,377 votos. Tomou posse como vereador da Câmara Municipal de Apodi em 01 de janeiro de 2017 para o mandato 2017-2020. 

Fonte de Pesquisa: Blog ApoDiário de Jânio Duarte

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Índia Apodi - Zelito Coringa

ÍNDIA APODI

Apodi Apodi terra dos meus ancestrais
Apodi Apodi com suas belezas naturais
Apodi India Apodi pra ser feliz muito mais
Aponi a jês a jés brincam de colorir
Aponi a jês a jés pintam o rosto pra sorrir
São tapuias, Paiacus, Janduís
Caros cariris, Caros cariris
A lagoa que banhava o índio
Hoje é do pescador
Que lança seu anzol linha de rede
Que Mata a fome a sede beija o sol
Olhando as pedras do lajedo
Vejo o princípio da arte
Adormecida pelo tempo
Mas, que agora renasce
Dançando o toré da tribo
Dançando o toré da tribo
Daqui não me arribo não
Assim canta o pessoal
Assim canta o pessoal
Tarará tarara tarará tarara
tarará tarará....
Volte sempre aqui.

Zelito Coringa/De Carnaubais para Apodi.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Pluviômetro online Apodi

O blog TudodeApodi.com desenvolveu uma planilha de registro das chuvas em Apodi. Agora você pode anotar a quantidade de milímetros de chuvas e os dados ficam armazenados para futuras pesquisas. 

Vamos organizar esses dados?
Anotar milímetros - goo.gl/MxNgpH
Ver quantidade de milímetros - goo.gl/UZUHFQ

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Posto Lajedo



Fotos: Blog do Josenias Freitas

O POSTO LAJEDO está localizado no Distrito de Soledade, na região da Chapada do Apodi/RN, foi Inaugurado no dia 28 de janeiro de 2017. Um importante empreendimento dos empresários apodienses Mariton, Ednilson e Euriclide, para beneficiar o Sítio Soledade e toda a Chapada do Apodi. O Posto facilitará a vida dos moradores da região que tinham que se deslocar até a cidade para abastecerem os seus veículos, já que antes essa região não possuía nenhum posto de combustíveis. 

Horário de funcionamento: 

De segunda a sábado: Das 06:00h as 18:00h
Domingo 06:00h as 14:00h

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Eleição municipal de 1928

Eleição municipal de 1928 - Francisco Ferreira Pinto, eleito como o Primeiro Prefeito Constitucional de Apodi


Chico Pinto, 1º Prefeito Constitucional de Apodi 

Antes de agosto de 1926 os administradores das cidades eram denominados de Presidente da Intendência Municipal. Quando houve a promulgação da Constituição Estadual do RN em 24 de agosto 1926, constava a mudança no denominativo dos Chefes de executivo municipal, passando então a serem denominados de Prefeito Municipal.

Tilon Gurgel

A primeira eleição municipal para escolha do 1º Prefeito Constitucional de Apodi foi realizada no dia 02 de setembro de 1928. Francisco Ferreira Pinto foi eleito pelo voto direto como o primeiro prefeito de Apodi, tendo como vice o fazendeiro Luis Sulpino da Silveira Júnior. O Coronel Francisco Ferreira Pinto, obteve 694 votos, derrotando o candidato Tilon Gurgel do Amaral. Antes fora eleito Presidente da Intendência Municipal de Apodi para o triênio 1925/1927.

Luis Sulpino da Silveira Júnior, 1º Vice-Prefeito Constitucional de Apodi. 

Francisco Ferreira Pinto e Luis Sulpino da Silveira Júnior foram respectivamente empossados como primeiro prefeito de Apodi e primeiro Vice-Prefeito Constitucional de Apodi em 01 de janeiro de 1929, e governaram até 09 de outubro de 1930, quando tiveram os seus mandatos cassados pela Revolução de 1930, liderada pelo gaúcho Getúlio Vargas, então Presidente da República. Chico Pinto, como era mais conhecido foi substituído pelo martinense Cosme Lemos, que fora nomeado prefeito provisório de Apodi.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Apodi na eleição presidencial de 03 de outubro de 1955

Fonte:http://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/13041Clique na imagem para ampliar
No ano de 1955 ocorreu a eleição federal para escolha do novo presidente e vice-presidente da República, em todo o país. Nesta época presidente e vice-presidente eram eleitos separadamente, ou seja os dois candidatos recebiam votos. Diferente de hoje, em que os candidatos são eleitos em uma chapa única. 

Na cidade de Apodi/RN, os resultados da eleição de 03 de outubro de 1955 foram os seguintes:

Candidatos a Presidente da República:

JUSCELINO KUBITSCHECK(PSD) - 1.741 votos 
JUAREZ TÁVORA(PDC)                  -   279 votos 
ADHEMAR DE BARROS(PSP)         - 749 votos 
PLÍNIO SALGADO(PRP)                - 100 votos 

Votos brancos:                             -   132 votos 
votos nulos:                                   -  69 votos 

Candidatos a Vice-Presidente: 

JOÃO GOULART(JANGO do PTB) - 1.794 votos 
MILTON CAMPOS (UDN)                - 385 votos 
DANTON COELHO(PSP)                 - 637 votos 

Votos brancos:                                  229 votos 
Votos nulos:                                       25 votos 

Percebe-se que os candidatos eleitos desta eleição,  Juscelino e João Goulart, também venceram na cidade de Apodi, derrotando os seus adversários.

Nesta época, a cidade de Itaú, fazia parte da 27º Zona Eleitoral de Apodi. Os municípios de Felipe Guerra e Severiano Melo ainda não existiam nesta eleição, já que respectivamente estavam encravados em Apodi e em Itaú. Nessa eleição a 27º Eleitoral(Apodi e Itaú) possuía um eleitorado de 6.522 votos.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Grupo de Jovens do Córrego celebrou 33 anos de história

 
 

 
  
Nesta terça-feira (07/02) A comunidade de Córrego reuniu-se para celebrar os 33 anos do Grupo de Jovens São Pedro (GRUJOSP). A cerimônia ocorreu com uma missa na Capela de São Pedro celebrada por Padre Chagas e em seguida no Centro Comunitário com a presença de autoridade (prefeito Alan Silveira, vereadores Soneth Ferreira e João Evangelista, representantes de instituições parceiras do grupo (Capela de São Pedro e São Francisco, AMPC, COOPAPI, COOAFARN, Grupo de Mulheres, corais São Pedro e São Francisco, Deusinha poetisa, membros atuais e ex-componentes do grupo).

Na oportunidade foram feitos discursos destacando a importância do grupo para a comunidade e a região da Areia no município de Apodi. Para Francisco Gilliard, "cada um de nós tem a missão de ajudar na continuidade deste grupo que tanto fez pelo trabalho religioso e social na comunidade"
Depois das falas, teve entrega de comenda para os parceiros, foi servido bolo, salgados e sucos de polpa de frutas produzidos pelos agricultores da comunidade. 
A noite foi encerrada com a participação de Aline Alencar e Allan Alencar que fizeram uma belíssima apresentação.

Fonte: GRUJOSP

Tenente Abílio Campos - ex-prefeito


Diante o repúdio da imprensa estadual, Luís Leite foi demitido do cargo de Prefeito de Apodi a 16.07.1934, tendo passado o cargo para o Tenente Abílio Campos a 17.07.1934.

Em 1934, Abilio Campos foi nomeado Prefeito-Interventor de Apodi pelo Interventor Federal do RN, Mário Câmara, em substituição ao prefeito Luis Ferreira Leite.  Sua nomeação ocorreu após dois meses e 12 dias do assassinato político do grande líder Apodiense, Francisco Ferreira Pinto, e deveu-se à difusão, em todo o Estado, de que Luis Leite fora um dos autores intelectuais do assassinato de Chico Pinto. Os jornais oposicionistas insistiram na divulgação do rumoroso crime, e suas nuances.

O  Tenente Abílio  Campos foi prefeito nomeado de Apodi no período de 17/07/1934  até 11/11/1935, quando foi sucedido pelo prefeito Adrião Bezerra de Menezes.

Fonte: Datas e Notas para a História de Apody - Marcos Pinto. 

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Campus Apodi lança programação completa da IV EXPOTEC e II SEMADEC


É com grande satisfação que o Campus Apodi do IFRN anuncia a realização de sua IV Exposição Científica, Tecnológica e Cultural (EXPOTEC), como também a II Semana de Arte Desporto e Cultura (SEMADEC). Os eventos acontecerão simultaneamente no período de 13 a 17 de fevereiro.

A II SEMADEC acontecerá no turno da manhã, na qual serão realizados a terceira edição dos jogos internos, competição entre alunos, servidores e terceirizados que contempla modalidades coletivas e individuais. Para abrir a SEMADEC acontecerá uma corrida rústica pelo interior do Campus.

A EXPOTEC é um dos eventos mais importantes do calendário do IFRN, e tem como objetivo dar visibilidade às produções acadêmicas, científicas, tecnológicas e culturais desenvolvidas pelos alunos e servidores do Instituto, nas suas três dimensões de atuação: ensino, pesquisa e extensão.

Este ano os eventos trazem como tema norteador: “Novos Desafios na Educação e Formação Profissional”. Toda programação do evento é gratuita e aberta à comunidade em geral. O Campus Apodi convida toda a população apodiense bem como as cidades vizinhas, para prestigiarem este evento ímpar da nossa instituição.
 
Fonte: IFRN

Distritos de Apodi

Atualmente em Apodi, existem 2(dois) distritos municipais: SOLEDADE E MELANCIAS, ambos foram criados  no ano de 1997, através de projetos de leis  aprovados pela Câmara Municipal de Apodi e sancionados pelo então prefeito Evandro Marinho de Paiva. Os PLs foram de autoria do vereador Batista Araújo("Batista Caicó") 




Os Distritos tem fundamental importância para uma cidade, segundo Hely Lopes Meirelles, em sua obra DIREITO MUNICIPAL, da ed. Malheiros, São Paulo: "Distrito é forma de divisão meramente administrativa do Município, por isso mesmo não adquirindo autonomia política (sem representação partidária), jurídica (não demanda ou é demandado em juízo) ou financeira (orçamento próprio, ordenação de despesas).Os distritos existem muito mais para facilitar a vida dos usuários dos serviços públicos e melhorar, aproximando-os, a qualidade e eficiência na resposta aos pleitos dos munícipes."

De forma geral um município só se subdivide em mais de um distrito quando dentro dele existem povoamentos expressivos em termos populacionais e econômicos, mas que estão afastados da área urbana principal. Outra importante vantagem dos Distritos é a possibilidade de sediar uma subprefeitura(que fica subordinada ao poder do prefeito municipal), podendo assim facilitar as demandas e necessidades dessas áreas administrativas.

Confira abaixo as leis municipais que criaram os respectivos Distritos em Apodi:

Lei municipal que criou Distrito de Melancias:

Lei municipal que criou o Distrito de Soledade:

Lei municipal que criou o Distrito de Melancias

LEI Nº 275 /97, 
De 05 de junho de 1997

Cria o Distrito de Melancias e dá outras providências.

O PREFEITO MUNICIPAL DE APODI/RN. Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º - Em consonância com o art. 21, da lei Complementar Estadual nº 102/92, fica criado o Distrito de Melancias, constituído de núcleo urbano e Rural, já existentes naquela localidade.

Art. 2º - O Núcleo Urbano do Distrito de Melancias, submeter-se-á as normas disciplinares impostas à Administração Urbana da Sede do Município

Art. 3º- Caberá ao Prefeito Municipal, através de ato regulamentar, estabelecer normas de implantação e funcionamento da administração do Distrito.

Art. 4º- Caberá ainda ao Prefeito Municipal, regulamentar a delimitação do território do distrito, fixando os seus limites, descrevendo-os integralmente, trecho a techo e indicando os acidentes geográficos.

Art. 5º - Fica estabelecido o prazo de 18 (dezoito) meses para o Executivo Municipal implantar, oficialmente, o Distrito como subdivisão administrativa do município;

Art. 6º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 7º- Revogam-se as disposições em contrário. 

Palácio Francisco Pinto, em Apodi –RN, em 05 de Junho de 1997

Evandro Marinho de Paiva
Prefeito Municipal

Lei municipal que criou o Distrito de Soledade

LEI Nº 284/97, 
De  03 de novembro de 1997

Cria o Distrito de Soledade e dá outras providências.

O PREFEITO MUNICIPAL DE APODI/RN. Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º – Em consonância com o art. 21, da lei Complementar Estadual nº 102/92, fica criado o Distrito de Soledade, constituído de núcleo urbano e Rural, já existentes naquela localidade.

Art. 2º - O Núcleo Urbano do Distrito de Soledade, submeter-se-á as normas disciplinares impostas à Administração Urbana da Sede do Município. 

Art. 3º - Caberá ao Prefeito Municipal, através de ato regulamentar, estabelecer normas de implantação e funcionamento da administração do Distrito.

Art. 4º - Caberá ainda ao Prefeito Municipal, regulamentar a integralmente, trecho a trecho e indicando os acidentes geográficos.

Art. 5º - Fica estabelecido o prazo de 18 (dezoito) meses para o Executivo Municipal implantar, oficialmente, o Distrito como subdivisão administrativa do município;

Art. 6 º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 7º - Revogam-se as disposições em contrário.

Palácio Francisco Pinto, em Apodi – RN, em 03 de novembro de 1997.

Evandro Marinho de Paiva
Prefeito Municipal


sábado, 11 de fevereiro de 2017

Simão Nogueira e Dr.Pinheiro, ex-presidentes da AMOS


Os prefeitos Simão Nogueira e Pinheiro Bezerra

Em toda a historia política apodiense apenas o ex-prefeito Simão Nogueira Neto e o ex-prefeito Jose Pinheiro Bezerra conseguiram chegar à presidência da Associação dos Municípios da Região de Mossoró e Médio Oeste Potiguar (AMOS) entidade que representa os municípios da região.

Atualmente essa entidade é denominada de AMORN - ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO RN e fica sediada na cidade de Natal/RN. A antiga AMOS já foi sediada na cidade de Apodi.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Luis Soares da Silveira - Tenente-Coronel

Luis Soares da Silveira, tenente-Coronel da Guarda Nacional, era natural de Itabaiana, na Paraíba. Casou-se em Apody com D. Maria Benedicta Beltrão da Silveira, filha do prof. Joaquim Manuel Carneiro da Cunha Beltrão(Natural de Tracunhaem-PE), e D. Maria Angélica Bezerra Cavalcanti. 

Era avô paterno do comerciante Rubens Pinto, radicado em Mossoró, e de D. Gizinha, casada com o Cel. Lucas Pinto, do Apody. O Tenente-Coronel Luis Soares foi Presidente da Intendencia Municipal de Apodi entre 08/02/1890 a 08/04/1890

Fonte: Datas e Notas para a História de Apody(Livro II - Junho a Dezembro), março de 2001. Marcos Pinto. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

O antigo Casarão de Seu Chico Guarda


O famoso Casarão de Chico Guarda. Foto:Musa Iconografia 

Detalhe da "boca de Jacaré" do antigo Casarão de Chico Guarda. Foto:Musa Iconografia


O antigo Casarão de seu Chico Guarda,  que ficava situado na rua João Pessoa, em Apodi/RN. 

Infelizmente já não existe mais, foi demolido no ano de 2015. Como não era tombado, este prédio veio ao chão... Um pedaço da história apodiense se perdeu. Agora só resta lembranças para os apodienses....

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

O antigo Altar-Mór da Igreja Matriz de Apodi

Altar da Igreja Matriz de Apodi,  ano de 1948 

Na foto do Altar-Mór do ano de 1948 vê-se a figura do Vigário da paróquia de Apodi o Reverendo Padre Renato Menezes, que ficou à frente da paróquia no período 1939-1951. Esse Altar-Mór tinha características arquitetônicas neocoloniais. Foi demolido durante o período em que a paróquia tinha como Padre Amílcar Silveira. Foi reconstruído graças ao laborioso empenho de uma comissão,cuja placa de inauguração está afixada na parede do vão central da Igreja-Matriz.

Texto: Marcos  Pinto
Fonte: Blog ApoDiário de Jânio Mateus Duarte

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Octaviano Gomes Pinto

OCTAVIANO GOMES PINTO, nasceu a 07 de setembro de 1872, era filho do Capitão Antonio Gomes Pinto(2º deste nome e filho do 1º) e de D. Águia Zenóbia D'Oliveira. Octaviano era neto materno do capitão Sebastião Celino D'Oliveira Pinto, antigo político militante do Partido Conservador, no Apody.  

Segundo o mesmo Octaviano, que era Presidente da Intendência do Apody em 1892, tinha esta cidade, neste dito ano, sete ruas com 125 casas térreas e três sobrados, além dos edifícios públicos. 

Era casado com D. Antonia Gomes de Oliveira, com quem teve a seguinte prole: 

F.1 - Francisco Octaviano Gomes Pinto; 
F.2 - João Octaviano Gomes Pinto;
F.3 - Josephina Gomes de Oliveira; 
F.4 - Claudina Gomes Pinto - casada com Diomedes Gomes Pinto. 
F.5 - Joaquim Octaviano Gomes Pinto - casado com Edwirges Gomes Pinto. 
F.6 - Antonia Gomes de Oliveira Filha - casada com Fausto Freire da Silveira. 
F.7 - Maria Saturnina de Oliveira - casada com João  Alexandre Ferreira Pinto
F.8 - Joana Gomes de Oliveira; 
F.9 - Luiza Gonzaga de Oliveira; 
F.10 - Antonio Gomes Pinto(3º deste nome e neto do 1º), casou-se com Joana Gomes de Paiva. 
F.11 - Raimunda Gomes de Oliveira; 
F.12 - Vicente Gomes Pinto - casado com Francisca das Chagas de Oliveira Gomes. 

Fonte: Datas e Notas para a História de Apody(Livro II - Junho a Dezembro) - Março de 2001. Marcos Pinto. 

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Padre Orígenes Monte - ex-prefeito


O natalense Padre Orígenes Monte foi Interventor municipal de Apodi, nomeado pelo Interventor Federal do RN, Rafael Fernandes Gurjão, durante a ditadura do Presidente Getúlio Vargas. Orígenes Monte foi prefeito nomeado de Apodi em substituição ao Coronel Lucas Pinto, entre  23 de setembro  de 1940 a 24 de março de 1944,  quando foi substituído pelo Interventor Major Joaquim Teixeira de Moura

Durante o seu governo foi criada no ano de 1941, a Biblioteca Municipal Machado de Assis, atualmente denominada de "Biblioteca Pública Municipal Válter de Brito Guerra", hoje sediada na Praça Dom José Freire, no centro de Apodi. 

Padre Orígenes Monte era irmão dos sacerdotes Cônego Luiz Gonzaga do Monte e do Bispo Dom Nivaldo Monte. É Patrono de Rua no Bairro "Malvinas" em Apodi/RN.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O WhatsApp como instrumento didático no processo de ensino-aprendizagem de leitura e de produção de textos

Dissertação: O WhatsApp como instrumento didático no processo de ensino-aprendizagem de leitura e de produção de textos
Autor: Luiz Carlos de Lucena Andrade
Curso: Mestrado Profissional em Letras - PROFLETRAS
Universidade: Universidade Estadual do Rio Grande do Norte - UERN
Publicação: 2016
Fonte do artigo: o autor

Clique para ver ou baixar

Envie seu artigo científico para tudodeapodi@hotmail.com e nós postaremos com prazer no blog.

Grupo de Jovens do Còrrego completa 33 anos de história

Ontem, (02/02), o Grupo de Jovens São Pedro – GRUJOSP completou 33 anos de existência. Os bravos jovens da comunidade de Córrego, região da Areia, deste município têm uma linda história de atuação juvenil através da organização social.

Cerca de 200 jovens da região da Areia já fizeram parte do GRUJOSP que foi fundado em 02 de fevereiro de 1984 com 12 componentes e que atualmente conta com 10 atuantes. Quase todas as famílias têm pelo menos uma pessoa que já foi do grupo. 
Foto tirada em 1987

Ao longo da história várias conquistas são elencadas para retratar a atuação desses jovens formados na igreja católica com empenho inicial do holandês Padre Theodoro Snijders. O Padre Maciel deu continuidade e agora, Padre Chagas segue com a missão de apoiar os jovens na direção dos projetos do reino de Deus.

Para comemorar, haverá uma missa celebrada por Padre Chagas que se realizará na próxima terça-feira (07), as 19h na Capela de São Pedro, na comunidade de Córrego. Todos convidados.


Parabéns GRUJOSP. Que venham mais 33.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Campus Apodi realiza enquete para escolha do Patrono da Biblioteca


Entre os dias 6 e 10 de março de 2017, o campus Apodi servirá de palco para  III Semana de Linguagens,  o evento tem como tema este ano  “Entre o clássico e o popular: uma releitura de conceitos polêmicos” e trará uma programação diversificada que caminha entre a produção acadêmico-científica e apresentações artísticas.

Desde a sua II edição, o evento vem promovendo enquetes  para a escolha de figuras ilustres da nossa região a fim de nomearem os espaços públicos do IFRN. Na II Semana de Linguagens, realizada entre os dias  26 e 29 de abril foi aberta a votação   para escolha do patrono, cujo nome seria atribuído ao auditório do IFRN Campus Apodi. A  apodiense Luiza Cantofa foi a escolhida, e o auditório passou a se chamar  de "Auditório Luiza Cantofa". Prestando uma justa homenagem  a guerreira indígena, natural de Apodi/RN que foi brutalmente assassinada em Portalegre, no dia 03 de novembro de 1825. 

Hoje o IFRN Apodi abriu  a enquete para escolha do Patrono de sua Biblioteca, já que desde que foi inaugurado em 2009, até o presente momento a Biblioteca do Campus não contém nenhum homenageado. A enquete ocorre justamente durante a preparação da III Semana de Linguagens do Campus Apodi(SLAP).  Os candidatos a patrono são: 
JOSÉ LEITEJOSÉ MARTINS DE VASCONSELOS e MANOEL ANTONIO DE OLIVEIRA CORIOLANO, ambos fazem partem da literatura e cultura  apodiense. As biografias completas dos candidatos estão disponíveis em nosso blog no menu BIOGRAFIAS


http://eventos.ifrn.edu.br/slap/escolha-do-patrono-da-biblioteca-do-ifrn-campus-apodi/

A votação é restrita a comunidade acadêmica do Campus Apodi, dessa forma professores, estudantes, servidores poderão ler as biografias dos nomes sugeridos, e em seguida registar o seu voto. A enquete estará aberta até o dia 10 de fevereiro de 2017, e o resultado será divulgado no dia 11 de fevereiro no site da III Semana de Linguagens - http://eventos.ifrn.edu.br/slap

O nosso blog apoia essa iniciativa e convida a todos que fazem parte do Campus Apodi a participarem desta importante escolha, prestando assim uma justa homenagem a um filho da terra. 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Centro Histórico-Cultural Tapuias Paiacus da Lagoa do Apodi(CHCTPLA)

Símbolo do CHCTPLA 

O Centro Histórico-Cultural Tapuias Paiacus da Lagoa do Apodi(CHCTPLA) foi criado em 07 de fevereiro de 2013, tendo como uma de suas principais fundadoras a índia apodiense Lucia Maria Tavares, sendo a atual Presidenta do Centro Histórico-Cultural Tapuias Paiacus da Lagoa do Apodi. 

O CHCTPLA fica localizado provisoriamente na Rua Antônio Lopes Filho, em Apodi, onde também está sediado o Museu do Índio Luiza Cantofa - O 1º Museu Indígena do Estado do Rio Grande do Norte.

O CHCTPLA é uma organização não-governamental que tem por principais objetivos: 

- Resgatar e preservar a cultura indígena da nação Tarairiú especificamente, dos Tapuias Paiacus, na fundação do município de Apodi - RN. 

- Promover e apoiar ações que contribuam para o resgate, divulgação e valorização da arte e da Cultura indígena;

- Estimular a parceria, o diálogo local e solidariedade entre os diferentes segmentos sociais, participando junto a outras entidades de atividades que visem interesses comuns;

- Contribuir para a ampliação, difusão e disseminação do conhecimento sobre a história, Cultura e Arte indígena.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Eleições municipais em Apodi

Aspectos das eleições municipais para prefeito municipal na cidade de Apodi 

Antes de agosto de 1926 os administradores das cidades eram denominados de Presidente da Intendência Municipal. Quando houve a promulgação da Constituição Estadual do RN em 24 de agosto 1926, constava a mudança no denominativo dos Chefes de executivo municipal, passando então a serem denominados de Prefeito Municipal.  A primeira eleição municipal para escolha do 1º Prefeito Constitucional de Apodi foi realizada no ano de 1928. 
OBS: Com o Golpe de Estado de Getúlio Vargas em 1930, as Câmaras Municipais foram fechadas e os prefeitos passaram a ser escolhidos de forma indireta por nomeação. De 1930 até 1947 Apodi teve 13 Interventores municipais, e ficou sem eleger o chefe do poder executivo pelo voto popular.  Isso perdurou até o ano de 1948, primeira eleição municipal após o Golpe de Vargas.  
  • Eleição municipal de 1948 

  • Eleição municipal de 1952 

  • Eleição municipal de 1958 

  • Eleição municipal de 1962 

OBS: Com o Golpe Militar de 1964, os prefeitos de capitais e algumas outras cidades passaram a ser escolhidos por via indireta, mas em Apodi o chefe do poder executivo continuou a ser eleito pelo voto direto.
  • Eleição municipal de 1968
  • Eleição municipal de 1972 
  • Eleição municipal de 1976 
  • Eleição municipal de 1982
  • Eleição municipal de 1988
  • Eleição municipal de 1992 
  • Eleição municipal de 1996 
  • Eleição municipal de 2000 
  • Eleição municipal de 2004 
  • Eleição municipal de 2012
  • Eleição municipal de 2016

OBS: O Blog Tudo de Apodi fará um levamento sobre todas as eleições municipais para escolha do prefeito de Apodi. Esta lista estará em constante atualização. 

sábado, 21 de janeiro de 2017

Associação de Córrego escolhe sua nova diretora

A Associação de Mini Produtores de Córrego e Sítios Reunidos - AMPC, que tem sua sede no Sítio Córrego na região da Areia de nosso município, escolhe amanhã (22/01/17) a sua diretoria para o mandato correspondente ao período de 2017 e 2018.
Poderão votar os sócios da associação ativos que estiverem quites com suas mensalidades.
O horário da votação será das 8:00 Às 11:00h.
Concorre a direção uma chapa única composta pelos seguintes membros candidatos:
PRESIDENTE: Isaac Wallacy de Souza;
VICE-PRESIDENTE: Francisco Manoel de Sousa Filho;
1º TESOUREIRO: Vicente Benigno Neto; 2º TESOUREIRO: Francisco Eciélio de Morais França;
1ª SECRETÁRIA: Wilma Aparecida Torres Pereira
2ª SECRETÁRIA: Patrícia Maria da Silva Ferreira

A AMPC ao longo de seus 25 anos tem um histórico de lutas em benefícios dos agricultores organizados da região.

Seu Geraldo Inglês



GERALDO GOMES DA COSTA, conhecido popularmente como “Seu Geraldo Inglês”, nasceu no Sítio Lagoa do Taboleiro, no município de Apodi/RN, no dia 27 de março de 1938. É filho de João Joaquim da Costa(João Inglês) e de Maria Gomes de Oliveira. É o segundo filho de uma família de seis irmãos. Acredita-se que o apelido “Inglês”, deve-se ao fato de alguns membros de sua família era originários da Inglaterra, país localizado no continente europeu. 

Entre 1946/1947 por volta dos 8 ou 9 anos de idade, começou a estudar com a professora particular Maria Geralda, no Sítio Barro Vermelho, onde cursou o ensino primário somente até 4 ª série(atual 5º ano do ensino fundamental). Entretanto, não concluiu a quarta série, começou desde cedo a trabalhar na agricultura com os seus pais. 

Casou-se aos 21 anos de idade, em 11 de outubro de 1959, com  a professora Alaíde Maria da Costa(Filha de João Batista de Oliveira Filho e de Maria Tomazia da Conceição), com quem teve uma prole de 9 filhos, sendo que atualmente apenas 6 estão vivos. São eles: Luis Alberto da Costa(Luis do Espertinho), Maria Irene da Costa, Eilson Gomes da Costa, Evanildo Gomes da Costa, Maria Eliene da Costa, Maria Eliete da Costa. 

Foi comerciante do ramo de tecidos na década de 1950, trabalhando ao lado de João Custódio, e também durante algum tempo com João Lucas de Lima. 

Fez os cursos de Cooperativismo e Educação Política. Fez parte do CPT – Conselho Pastoral da Terra. Foi Ministro Extraordinário da Eucaristia na Igreja Matriz de Nossa Senhora Conceição e São Batista, função que também desempenhou na Capela de Mãe Rainha no Bairro Bico Torto. 

Foi também professor do MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização, entre as décadas de 70 e 80. O Mobral foi um projeto do Governo Militar(Iniciado em 1967 e extinto em 1985), que tinha como proposta a alfabetização de jovens e adultos

Em 1978, foi candidato a Presidente do STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Apodi mas infelizmente não foi eleito. 

No ano de 1982, época de eleições municipais em Apodi, candidatou-se ao cargo de vereador, sendo que obteve 74 sufrágios (votos), entretanto, não galgou êxito. Uma pena, visto pelo fato de que Geraldo Inglês, apesar de não ter concluído o ensino fundamental, é um homem inteligentíssimo, grande conhecedor das “artimanhas” políticas que aconteceram em sua época. Com certeza, se tivesse sido eleito, traria projetos de suma importância para a sociedade apodiense. 

Foi também “professor” do MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização, entre as décadas de 70 e 80. Trabalhou na agricultura até o ano de 1992. Depois, foi funcionário público da Prefeitura Municipal de Apodi(PMA) durante 15 anos. Foi um dos principais fundadores do SINTRAPMA – Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais de Apodi, onde foi o Primeiro Presidente Provisório dessa entidade, no ano de 1996.

Esse é Geraldo Inglês, um homem que gosta de está ligado dos principais fatos que acontecem em Apodi, no Rio Grande do Norte e do Brasil, dando suas contribuições em programas de rádio local, fazendo comentários, críticas e sugestões em busca de soluções para um determinado problema. É um dos homens mais inteligentes de Apodi, conhece fatos históricos e até “inéditos” que poucos conhecem. É fiel seguidor da religião católica, gosta muito de ler a bíblia, de conversar com seus amigos, de relembrar os tempos de infância, do Apodi no antigamente, lembranças que o fazem feliz e até o emocionam. 

Uma pessoa que constituiu uma família com educação, respeito e muito amor. Seu Geraldo é realmente muito querido pelo povo apodiense. 

Atualmente, Seu Geraldo Inglês é aposentado e mora no Bairro Bico Torto, município de Apodi. 

domingo, 15 de janeiro de 2017

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN(II)? - Por Marcos Pinto

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN (1633-1654) ? (II)


Brasão Holandês no RN

Durante o domínio holandês na então CAPITANIA DO RIO GRANDE existia uma grande ligação dos índios tapuias paiacus de Apodi com os tapuias da região do Assu, conhecidos como Janduins, comandados pelo cacique JANDUÍ. Janduí ou NHANDUÍ quer dizer, na língua tupi EMA PEQUENA. Corresponde a uma ave de pequeno porte, de pernas longas e corredeira, muito comum nos largos campos cheios de lagoa e olhos d'água do RN.

A inimizade dos índios do Apodi com os da região do Assu teve origem com uma trama urdida pelo bandeirante paulista MORAIS NAVARRO, que forneceu secretamente pólvora e bala aos Janduís e foi com eles atacar os índios da ribeira do Apodi, em 1699, fazendo muitos cativos. 

A possibilidade de os holandeses terem pisado as terras Apodienses encontra arrimo em brilhante trabalho enriquecido de farta documentação, do nosso ilustre historiador potiguar JOSÉ MOREIRA BRANDÃO CASTELO BRANCO, que foi um incansável pesquisador de nossas fontes históricas. Citando JOHANES LAET, um dos intérpretes do roteiro dos holandeses no Rio Grande do Norte, acentua:

"Por volta de 1636, um dos Chefes indígenas afirmava que seus domínios se estendia pelas águas de cinco rios, que ele referia, indicando a posição e a distância de cada um deles. O Morubixaba CARACARÁ, irmão do Rei JANDOVI (Janduí) pela boca do intérprete PARAPOAVA, informava que suas terras se espalhavam pelo interior, a partir do Rio Grande, por cinco rios, confirmando notícia anterior, assim discriminados: 1) WARAUGI dos tupis ou OCIUNON dos tapuias; 2) QUOAOUGUN; 3) OCIORO; 4) IWYPANIM , na língua dos tapuias UPANEMA; 5) WOROIGUH. 

Esses rios eram grandes e distavam o primeiro, do Rio Grande, cinco dias de viagem; o segundo, do primeiro, um dia; o terceiro do segundo, dois dias; o quarto do terceiro, dois dias e o quinto meio dia além do quarto. As distâncias indicadas pelo cacique, assim determinam: Cinco dias do rio POTENGÍ às nascentes do Rio Salgado ou do PATACHOCA, que ficam próximas uma da outra e na vertente ocidental da serra de Santana, viagem normal para índios, como frisa o Tuchaua, sem mulheres. do 2° ao 3° apenas um dia de trajeto, corresponde perfeitamente à distância do rio Salgado ao Patachoca, na primeira hipótese, ou deste ao Carahú, na segunda. Daí a PIRANHAS não é extemporânea a estimativa de 2 dias feita pelo chefe tapuia, que também calculava em igual tempo a jornada para alcançar o Vale do Upanema, e mais meio dia para atingir-se o WOROIGUH, que só pode ser o atual APODI ou MOSSORÓ, uma vez que a travessia era feita pelo sertão e não pelo litoral. Como se depreende, já neste ano de 1636 este cacique já fazia o trajeto do rio Apodi até o Rio Grande, que era o POTENGÍ, em Natal. 



Em 03 de Outubro de 1645 houve o massacre de Uruaçu, pelos índios tapuias comandados por JACOB RABI, tendo entre as vítimas a pessoa de João Lostão Navarro, sogro do holandês Tenente-Coronel JORIS GARSTMAN. Este, em vingança, na madrugada do dia 05 de Abril de 1646, mandou dois soldados assassinarem o JACOB RABI, consumando,assim, a vindita. 
  
Em 1653/1654 este Tenente-Coronel JORIS GARSTMAN esteve comandando o Forte de São Sebastião, no Ceará, tendo entregue o mesmo a 20.05.1654 para seguir em 1º de Julho para as Antilhas, tendo morrido de morte natural na Martinica, segundo o renomado historiador potiguar HÉLIO GALVÃO em seu livro "HISTÓRIA DA FORTALEZA DA BARRA DO RIO GRANDE". 

Teria o indômito MATIAS NOGUEIRA, que com seus filhos fundou o Apodi, mantido relações de amizade com este holandês quando o mesmo se encontrava comandando o Forte no Ceará? O mesmo Hélio Galvão mostra que o mesmo deixou um filho em Natal, de nome TEODÓSIO DE GRACISMAN, que casou em Natal com Paula Barbosa. 

Há um fato notório que dá ênfase a uma possível relação de amizade íntima entre os NOGUEIRA, fundadores do Apodi, especialmente a fundadora ANTONIA DE FREITAS NOGUEIRA,com filhos e netos do Holandês JORIS GARSTMAN. No período de 1695 a 1706 ela residiu nas imediações de Natal, acompanhando seu esposo Manoel de Carvalho Tinoco, que servia na " Fortaleza da Barra do Rio Grande" como Capitão de Ordenanças.

Dona ANTONIA DE FREITAS batizou uma sua filha de nome FLORINDA na Capela de Santo Antonio do Potengi a 11.05.1706, tendo como padrinhos o Tenente-Coronel TEODÓSIO DE GRACISMAN e sua esposa Paula Barbosa. A relação do compadrio constitui um vínculo de profundos laços de amizade. 

 Teria o holandês, pai de Teodósio, informado ao filho sobre as terras do Apodi, que por sua vez informou aos NOGUEIRA em 1680? Há que se fazer uma leitura acurada da memória escrita por JACOB RABI e por este presenteada ao Maurício de Nassau. Será que há alguma citação aos índios do lugar PODY ? Averiguemos, pois.

Por Marcos Pinto - historiador apodiense
Copiado do Blog Potyline

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN? (I) - Por Marcos Pinto

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN (1633-1654)? (I)


 

A leitura amiúde e pacienciosa dos livros que enfocam o período do domínio holandês no Rio Grande do Norte aponta para uma excepcional probabilidade deste povo batavo ter pisado o solo Apodiense, durante o seu domínio em terras potiguares. Cronistas dos Sécs. XVI e XVII como GABRIEL SOARES DE SOUZA, AMBRÓSIO FERNANDES BRANDÃO e FREI VICENTE DO SALVADOR assinalaram informações a respeito da Capitania do Rio Grande, todavia, restritas ao litoral e adjacências. Foi a presença holandesa na Capitania que propiciou o envio de dois emissários ao sertão, com o objetivo de dotar de garantias a aliança flamenga com os grupos indígenas do interior.

O primeiro é uma figura emblemática comentada pela historiografia regional. Refiro-me a JACOB RABI, judeu alemão que veio para o Brasil em 1637 com MAURÍCIO DE NASSAU e que esteve com os Tapuias Paiacus da nação Tarairiús no sertão por um período de quatro anos, durante os quais chegou a casar com uma índia de nome Domingas, compartilhando dos hábitos nativos e assumindo comportamentos indígenas. Escreveu uma crônica sobre o viver desses índios, contendo informações sobre seu hábitos cotidianos e as terras que habitavam. Esse relato foi presenteado a Maurício de Nassau e serviu de base para as descrições posteriores de GASPAR BARLÉUS, GEORGE MARCGRAVE, JOHN NIEUHOF e GUILHERME PISO.

RABI atravessou o Rio Grande do Norte com uma força de 160 holandeses e centenas de índios. Os colonos ficaram aterrorizados. Alguns pagaram Rabi para que não os importunasse. Outros se refugiaram em fortificações e muitos foram mortos. Os colonizadores consideravam RABI "quase bárbaro como estes indômitos e cruéis gentios, que com eles havia muito tempo morado no sertão, e exercitado seus brutos e depravados costumes. Os tapuias paiacus se deram conta pela primeira vez da presença dos holandeses quando uma nau holandesa, que navegava ao largo da costa do Ceará, capturou um português e soltou 25 homens, mulheres e crianças tapuias que ele estava levando para serem vendidos como escravos no RN.

Durante alguns anos os tapuias vinham comerciando com os portugueses, trocando cativos por mercadorias. Em 1630 os portugueses já exploravam salinas naturais nas imediações de Areia Branca. O renomado historiador VINGT-UN ROSADO escreveu um livro intitulado "OS HOLANDESES NAS SALINAS DO RIO MOSSORÓ", em co-autoria com sua esposa Professora América Rosado (Vide Google - Arquivo PDF). Conta que os rios que delimitavam a produção salineira de GEDEON MORRIS DE JONGE e seus continuadores pseudo descobridores das salinas são o IWIPANIM, O MEIRITUPE e o WARAROCURY. Na linguagem travada dos Tarairiús o primeiro é o UPANEMA, com outra barra, entulhada no correr do tempo. O Upanema passou a receber o nome de APODI, caindo no atlântico em Areia Branca. Mas a zona das salinas, sabidamente identificada pelo português desde fins do Séc. XVI, é que teve rápida ocupação pela mão dos holandeses, ajudados pela indiada que depois se revoltou e matou os brancos. Essa era a zona das únicas salinas holandesas, terras litorâneas no município de Areia Branca. As salinas de Macau não foram trabalhadas pelos flamengos.


O Holandês ADRIANO WERDONCK, que era morador no Recife desde o ano de 1618, deixou informações sobre as salinas da região de Areia Branca, cuja descrição está inserida num livro de memória intitulado "DESCRIÇÃO DAS CAPITANIAS DE PERNAMBUCO, ITAMARACÁ, PARAÍBA E RIO GRANDE", apresentado ao Conselho Político do Brasil, em 20 de Maio de 1630. 

Esta memória foi publicada na Revista do Instituto Arqueológico e Geográfico Pernambucano - Ano 1901 - nº 55, traduzida pelo historiador ALFREDO CARVALHO. Eis um trecho do depoimento WERDONCKIANO sobre as salinas do Rio Apodi (Upanema, daquele tempo): 

"Quando ali há falta de sal, o Capitão-Mór do dito Forte do Rio Grande manda uma ou duas barcas de 45 a 50 toneladas a um lugar a 60 milhas mais para o Norte onde há grandes e extensas salinas que a natureza criou por si. Alí podem carregar, segundo muitas vezes ouvi de barqueiros que dalí vinham com carregamento de sal mais de mil navios com sal que é mais forte do que o espanhol e alvo como a neve. Vejamos o que nos diz outro credenciado historiador potiguar FRANCISCO FAUSTO DE SOUZA: 

"Um fato inédito da invasão holandesa foi a rebelião tapuia de 1644, com a destruição do Forte de Paneminha (atual rio do Carmo) e o trucidamento de GEDEON MORRIS e de todos os seus companheiros. Alguns tapuias, nessa época, de volta do Outeiro da Cruz, no Maranhão, onde tinham estado em combate, empenharam-se em luta com os trabalhadores nas salinas de Mossoró, degolando indistintamente a quantos alí encontravam.

(FONTE: Vide livro "BREVE NOTÍCIA SOBRE A PROVÍNCIA DO RIO GRANDE DO NORTE". autor: FERREIRA NOBRE). 

É possível que tenham sido os tapuias paiacus que habitavam as margens da lagoa e do rio PODY os autores deste massacre. É possível que estes holandeses tenham adentrado os sertões do Apodi, acompanhados pelo JACOB RABI, nestas barcaças que tinham a capacidade de carregar até 50 toneladas de sal.

Marcos Pinto - historiador apodiense
Copiado do Blog Potyline