Pesquisar neste blog

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Convite de Assembléia Ordinária da COOPAPI

COOPERATIVA POTIGUAR DE APICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL - COOPAPI 
Rua Sebastião Sizenando, 263, Centro, Apodi –RN CEP: 59700-000 CNPJ: 06.881.068/0001-03 
E-mail: coopapirn@hotmail.com 
www.coopapi.blogspot.com.br Tel: (84) 3333-9582 


EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA. 

Pelo presente Edital, ficam convocados, nos termos da Legislação Vigente e dos Estatutos Sociais desta Entidade, todos os cooperados quites e no gozo de seus direitos sociais, para participarem de uma ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA, que, realizar-se-á, em primeira convocação, às 08:00 horas, do dia 07 do mês de março de 2018, na sede desta cooperativa, sito a rua Sebastião Sizenando, 263, Apodi / RN. Consoante determinação estatutária caso não seja atingido o número legal para instalação em primeira convocação será realizada Assembléia em segunda convocação uma (1) hora após a primeira com a presença mínima de 50 (cinqüenta por cento) mais um dos cooperados e em terceira (3ª) e última convocação uma (1) hora após a segunda (2ª) com a presença mínima de dez (10) cooperados, todas no mesmo local e dia, objetivando discutir a seguinte ordem do dia: 

1- Prestação de Contas exercício 2017; 
2 - Admissão e saída de cooperados; 
3- Funcionamento do Entreposto 
3.1 – Aquisição de equipamentos (colmeias, balança, veículo e mobília para escritório) 
3.2 – Projeto Governo Cidadão (definição de contrapartida do projeto) 
4 - Outros assuntos do interesse da categoria. 

Apodi/RN, 16 de fevereiro de 2018. 

Francisco Marto de Lima e Souza 
Presidente.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Grupo de jovens do Córrego comemora 34 anos de história

O Grupo de Jovens do Córrego São Pedro - GRUJOSP, foi fundado em 02 de fevereiro de 1984 por 12 componentes. Na ata de fundação do grupo consta o seguinte texto: "Idalcí que em conversa com 04 moças que era de Fortaleza, disseram a ela, que era do grupo de jovens, que eram muito importante um na comunidade. Idalci e Elisomar chegando à capela que vinha da casa de Francisco Vieira de Souza, em procissão do Santo Antonio que foi doado as Capela, por família Galdino, convidaram pessoas para um grupo de jovens. No outro dia Elizomar fala com o Padre Theodoro que tinha feito um levantamento de 12 pessoas para um grupo de jovens, o padre disse que ótima ideia a comunidade precisa". 

O GRUJOSP possui em média 20 componentes ativos e reuni-se semanalmente no centro comunitário do Distrito de Córrego. Mas já passaram pelos quadros do grupo 216 pessoas, onde 116 são mulheres e 100 homens.

Quem passou pelo grupo teve a oportunidade de aprender a conviver coletivamente sobre os mais diversos temas que da juventude: religião, cultura, modo de vida, entre outros, o que de alguma forma serviu para formar a sua identidade. 

Ao longo da história 118 pessoas que passaram pelo grupo hoje estão casadas, 90 solteiras, 2 viúvas e 06 são falecidas. 89 componentes foram morar em outras comunidades, mas 101 permanecem na região onde nasceram. 

O grupo também foi embrionário na luta social, pois 54 desses ex componentes também se associaram na Associação de Mini Produtores de Córrego - AMPC e 31 na Cooperativa Potiguar de Apicultura - COOPAPI. Um fato interessante: todos os diretores atuais da COOPAPI hoje são formados por ex componentes do GRUJOSP. Isso mostra a importância social que esse grupo tem na história do movimento social do município. 

Hoje, o grupo comemora 34 anos de existência e vem agradecer a Deus por todas as bênçãos alcançadas pelo grupo e pelos componentes ao longo de nossa história.
Abaixo algumas fotos que retratam um pouco dessa história
Construção do centro comunitário (1984)
GRUJOSP na Capela de São Pedro
Grupo na casamento de Antonio de Joca e Graça (ex componentes) 1987
GRUJOSP em 2013
GRUJOSP em 2013
GRUJOSP em 2017

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Alunos surdos na sala de aula regular e as dificuldades dos professores

A dificuldade de lecionar sem conhecer a Língua Brasileira de Sinais - Libras e a cultura da comunidade surda ocasiona falhas de comunicação entre professores e alunos com deficiência auditiva e consequentemente o aprendizado desses no ambiente escolar. O foco do trabalho foi analisar as dificuldades encontradas pelos professores da sala de aula regular, que lecionam para uma aluna surda, em Apodi. Ela participa das aulas de libras na Sala de Recursos mas os professores não dominam a língua. Como resultado, além da oferta de libras na escola para alunos tona-se necessário a criação de políticas de formação para toda a comunidade escolar visando conhecer a língua para poder buscar conhecer a língua para aproveitá-la dentro da dinâmica de produção e melhoria no processo ensino-aprendizagem.


Trabalho publicado no IV Congresso Nacional de Educação - CONEDU, ocorrido em João Pessoa -PB
Autores: Antonio Caubí Marcolino Torres, Rusiane da Silva Torres, Tília Galgane de Oliveira Freire, Maria Adriana de Souza e Maria Rosineide Torres Marcolino