Pesquisar neste blog

domingo, 29 de janeiro de 2017

Eleições municipais em Apodi

Aspectos das eleições municipais para prefeito municipal na cidade de Apodi 

Antes de agosto de 1926 os administradores das cidades eram denominados de Presidente da Intendência Municipal. Quando houve a promulgação da Constituição Estadual do RN em 24 de agosto 1926, constava a mudança no denominativo dos Chefes de executivo municipal, passando então a serem denominados de Prefeito Municipal.  A primeira eleição municipal para escolha do 1º Prefeito Constitucional de Apodi foi realizada no ano de 1928. 
OBS: Com o Golpe de Estado de Getúlio Vargas em 1930, as Câmaras Municipais foram fechadas e os prefeitos passaram a ser escolhidos de forma indireta por nomeação. De 1930 até 1947 Apodi teve 13 Interventores municipais, e ficou sem eleger o chefe do poder executivo pelo voto popular.  Isso perdurou até o ano de 1948, primeira eleição municipal após o Golpe de Vargas.  
  • Eleição municipal de 1948 

  • Eleição municipal de 1952 

  • Eleição municipal de 1958 

  • Eleição municipal de 1962 

OBS: Com o Golpe Militar de 1964, os prefeitos de capitais e algumas outras cidades passaram a ser escolhidos por via indireta, mas em Apodi o chefe do poder executivo continuou a ser eleito pelo voto direto.
  • Eleição municipal de 1968
  • Eleição municipal de 1972 
  • Eleição municipal de 1976 
  • Eleição municipal de 1982
  • Eleição municipal de 1988
  • Eleição municipal de 1992 
  • Eleição municipal de 1996 
  • Eleição municipal de 2000 
  • Eleição municipal de 2004 
  • Eleição municipal de 2012
  • Eleição municipal de 2016

OBS: O Blog Tudo de Apodi fará um levamento sobre todas as eleições municipais para escolha do prefeito de Apodi. Esta lista estará em constante atualização. 

sábado, 21 de janeiro de 2017

Associação de Córrego escolhe sua nova diretora

A Associação de Mini Produtores de Córrego e Sítios Reunidos - AMPC, que tem sua sede no Sítio Córrego na região da Areia de nosso município, escolhe amanhã (22/01/17) a sua diretoria para o mandato correspondente ao período de 2017 e 2018.
Poderão votar os sócios da associação ativos que estiverem quites com suas mensalidades.
O horário da votação será das 8:00 Às 11:00h.
Concorre a direção uma chapa única composta pelos seguintes membros candidatos:
PRESIDENTE: Isaac Wallacy de Souza;
VICE-PRESIDENTE: Francisco Manoel de Sousa Filho;
1º TESOUREIRO: Vicente Benigno Neto; 2º TESOUREIRO: Francisco Eciélio de Morais França;
1ª SECRETÁRIA: Wilma Aparecida Torres Pereira
2ª SECRETÁRIA: Patrícia Maria da Silva Ferreira

A AMPC ao longo de seus 25 anos tem um histórico de lutas em benefícios dos agricultores organizados da região.

Geraldo Inglês



GERALDO GOMES DA COSTA, conhecido popularmente como “Seu Geraldo Inglês”, nasceu no Sítio Lagoa do Taboleiro, no município de Apodi/RN, no dia 27 de março de 1938. É filho de João Joaquim da Costa(João Inglês) e de Maria Gomes de Oliveira. É o segundo filho de uma família de seis irmãos. Acredita-se que o apelido “Inglês”, deve-se ao fato de alguns membros de sua família era originários da Inglaterra, país localizado no continente europeu. 

Entre 1946/1947 por volta dos 8 ou 9 anos de idade, começou a estudar com a professora particular Maria Geralda, no Sítio Barro Vermelho, onde cursou o ensino primário somente até 4 ª série(atual 5º ano do ensino fundamental). Entretanto, não concluiu a quarta série, começou desde cedo a trabalhar na agricultura com os seus pais. 

Casou-se aos 21 anos de idade, em 11 de outubro de 1959, com  a professora Alaíde Maria da Costa(Filha de João Batista de Oliveira Filho e de Maria Tomazia da Conceição), com quem teve uma prole de 9 filhos, sendo que atualmente apenas 6 estão vivos. São eles: Luis Alberto da Costa(Luis do Espertinho), Maria Irene da Costa, Eilson Gomes da Costa, Evanildo Gomes da Costa, Maria Eliene da Costa, Maria Eliete da Costa. 

Foi comerciante do ramo de tecidos na década de 1950, trabalhando ao lado de João Custódio, e também durante algum tempo com João Lucas de Lima. 

Fez os cursos de Cooperativismo e Educação Política. Fez parte do CPT – Conselho Pastoral da Terra. Foi Ministro Extraordinário da Eucaristia na Igreja Matriz de Nossa Senhora Conceição e São Batista, função que também desempenhou na Capela de Mãe Rainha no Bairro Bico Torto. 

Foi também professor do MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização, entre as décadas de 70 e 80. O Mobral foi um projeto do Governo Militar(Iniciado em 1967 e extinto em 1985), que tinha como proposta a alfabetização de jovens e adultos

Em 1978, foi candidato a Presidente do STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Apodi mas infelizmente não foi eleito. 

No ano de 1982, época de eleições municipais em Apodi, candidatou-se ao cargo de vereador, sendo que obteve 74 sufrágios (votos), entretanto, não galgou êxito. Uma pena, visto pelo fato de que Geraldo Inglês, apesar de não ter concluído o ensino fundamental, é um homem inteligentíssimo, grande conhecedor dos fatos  políticos que aconteceram em sua época. Com certeza, se tivesse sido eleito, traria projetos de suma importância para a sociedade apodiense. 

Foi também “professor” do MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização, entre as décadas de 70 e 80. Trabalhou na agricultura até o ano de 1992. Depois, foi funcionário público da Prefeitura Municipal de Apodi(PMA) durante 15 anos. Foi um dos principais fundadores do SINTRAPMA – Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais de Apodi, onde foi o Primeiro Presidente Provisório dessa entidade, no ano de 1996.

Esse é Geraldo Inglês, um homem que gosta de está ligado dos principais fatos que acontecem em Apodi, no Rio Grande do Norte e do Brasil, dando suas contribuições em programas de rádio local, fazendo comentários, críticas e sugestões em busca de soluções para um determinado problema. É um dos homens mais inteligentes de Apodi, conhece fatos históricos e até “inéditos” que poucos conhecem. É fiel seguidor da religião católica, gosta muito de ler a bíblia, de conversar com seus amigos, de relembrar os tempos de infância, do Apodi no antigamente, lembranças que o fazem feliz e até o emocionam. 

Uma pessoa que constituiu uma família com educação, respeito e muito amor. Seu Geraldo é realmente muito querido pelo povo apodiense. 

Atualmente, Seu Geraldo Inglês é aposentado e mora no Bairro Bico Torto, município de Apodi. 

domingo, 15 de janeiro de 2017

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN(II)? - Por Marcos Pinto

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN (1633-1654) ? (II)


Brasão Holandês no RN

Durante o domínio holandês na então CAPITANIA DO RIO GRANDE existia uma grande ligação dos índios tapuias paiacus de Apodi com os tapuias da região do Assu, conhecidos como Janduins, comandados pelo cacique JANDUÍ. Janduí ou NHANDUÍ quer dizer, na língua tupi EMA PEQUENA. Corresponde a uma ave de pequeno porte, de pernas longas e corredeira, muito comum nos largos campos cheios de lagoa e olhos d'água do RN.

A inimizade dos índios do Apodi com os da região do Assu teve origem com uma trama urdida pelo bandeirante paulista MORAIS NAVARRO, que forneceu secretamente pólvora e bala aos Janduís e foi com eles atacar os índios da ribeira do Apodi, em 1699, fazendo muitos cativos. 

A possibilidade de os holandeses terem pisado as terras Apodienses encontra arrimo em brilhante trabalho enriquecido de farta documentação, do nosso ilustre historiador potiguar JOSÉ MOREIRA BRANDÃO CASTELO BRANCO, que foi um incansável pesquisador de nossas fontes históricas. Citando JOHANES LAET, um dos intérpretes do roteiro dos holandeses no Rio Grande do Norte, acentua:

"Por volta de 1636, um dos Chefes indígenas afirmava que seus domínios se estendia pelas águas de cinco rios, que ele referia, indicando a posição e a distância de cada um deles. O Morubixaba CARACARÁ, irmão do Rei JANDOVI (Janduí) pela boca do intérprete PARAPOAVA, informava que suas terras se espalhavam pelo interior, a partir do Rio Grande, por cinco rios, confirmando notícia anterior, assim discriminados: 1) WARAUGI dos tupis ou OCIUNON dos tapuias; 2) QUOAOUGUN; 3) OCIORO; 4) IWYPANIM , na língua dos tapuias UPANEMA; 5) WOROIGUH. 

Esses rios eram grandes e distavam o primeiro, do Rio Grande, cinco dias de viagem; o segundo, do primeiro, um dia; o terceiro do segundo, dois dias; o quarto do terceiro, dois dias e o quinto meio dia além do quarto. As distâncias indicadas pelo cacique, assim determinam: Cinco dias do rio POTENGÍ às nascentes do Rio Salgado ou do PATACHOCA, que ficam próximas uma da outra e na vertente ocidental da serra de Santana, viagem normal para índios, como frisa o Tuchaua, sem mulheres. do 2° ao 3° apenas um dia de trajeto, corresponde perfeitamente à distância do rio Salgado ao Patachoca, na primeira hipótese, ou deste ao Carahú, na segunda. Daí a PIRANHAS não é extemporânea a estimativa de 2 dias feita pelo chefe tapuia, que também calculava em igual tempo a jornada para alcançar o Vale do Upanema, e mais meio dia para atingir-se o WOROIGUH, que só pode ser o atual APODI ou MOSSORÓ, uma vez que a travessia era feita pelo sertão e não pelo litoral. Como se depreende, já neste ano de 1636 este cacique já fazia o trajeto do rio Apodi até o Rio Grande, que era o POTENGÍ, em Natal. 



Em 03 de Outubro de 1645 houve o massacre de Uruaçu, pelos índios tapuias comandados por JACOB RABI, tendo entre as vítimas a pessoa de João Lostão Navarro, sogro do holandês Tenente-Coronel JORIS GARSTMAN. Este, em vingança, na madrugada do dia 05 de Abril de 1646, mandou dois soldados assassinarem o JACOB RABI, consumando,assim, a vindita. 
  
Em 1653/1654 este Tenente-Coronel JORIS GARSTMAN esteve comandando o Forte de São Sebastião, no Ceará, tendo entregue o mesmo a 20.05.1654 para seguir em 1º de Julho para as Antilhas, tendo morrido de morte natural na Martinica, segundo o renomado historiador potiguar HÉLIO GALVÃO em seu livro "HISTÓRIA DA FORTALEZA DA BARRA DO RIO GRANDE". 

Teria o indômito MATIAS NOGUEIRA, que com seus filhos fundou o Apodi, mantido relações de amizade com este holandês quando o mesmo se encontrava comandando o Forte no Ceará? O mesmo Hélio Galvão mostra que o mesmo deixou um filho em Natal, de nome TEODÓSIO DE GRACISMAN, que casou em Natal com Paula Barbosa. 

Há um fato notório que dá ênfase a uma possível relação de amizade íntima entre os NOGUEIRA, fundadores do Apodi, especialmente a fundadora ANTONIA DE FREITAS NOGUEIRA,com filhos e netos do Holandês JORIS GARSTMAN. No período de 1695 a 1706 ela residiu nas imediações de Natal, acompanhando seu esposo Manoel de Carvalho Tinoco, que servia na " Fortaleza da Barra do Rio Grande" como Capitão de Ordenanças.

Dona ANTONIA DE FREITAS batizou uma sua filha de nome FLORINDA na Capela de Santo Antonio do Potengi a 11.05.1706, tendo como padrinhos o Tenente-Coronel TEODÓSIO DE GRACISMAN e sua esposa Paula Barbosa. A relação do compadrio constitui um vínculo de profundos laços de amizade. 

 Teria o holandês, pai de Teodósio, informado ao filho sobre as terras do Apodi, que por sua vez informou aos NOGUEIRA em 1680? Há que se fazer uma leitura acurada da memória escrita por JACOB RABI e por este presenteada ao Maurício de Nassau. Será que há alguma citação aos índios do lugar PODY ? Averiguemos, pois.

Por Marcos Pinto - historiador apodiense
Copiado do Blog Potyline

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN? (I) - Por Marcos Pinto

Teriam os holandeses adentrado o sertão do Apodi durante o seu domínio no RN (1633-1654)? (I)


 

A leitura amiúde e pacienciosa dos livros que enfocam o período do domínio holandês no Rio Grande do Norte aponta para uma excepcional probabilidade deste povo batavo ter pisado o solo Apodiense, durante o seu domínio em terras potiguares. Cronistas dos Sécs. XVI e XVII como GABRIEL SOARES DE SOUZA, AMBRÓSIO FERNANDES BRANDÃO e FREI VICENTE DO SALVADOR assinalaram informações a respeito da Capitania do Rio Grande, todavia, restritas ao litoral e adjacências. Foi a presença holandesa na Capitania que propiciou o envio de dois emissários ao sertão, com o objetivo de dotar de garantias a aliança flamenga com os grupos indígenas do interior.

O primeiro é uma figura emblemática comentada pela historiografia regional. Refiro-me a JACOB RABI, judeu alemão que veio para o Brasil em 1637 com MAURÍCIO DE NASSAU e que esteve com os Tapuias Paiacus da nação Tarairiús no sertão por um período de quatro anos, durante os quais chegou a casar com uma índia de nome Domingas, compartilhando dos hábitos nativos e assumindo comportamentos indígenas. Escreveu uma crônica sobre o viver desses índios, contendo informações sobre seu hábitos cotidianos e as terras que habitavam. Esse relato foi presenteado a Maurício de Nassau e serviu de base para as descrições posteriores de GASPAR BARLÉUS, GEORGE MARCGRAVE, JOHN NIEUHOF e GUILHERME PISO.

RABI atravessou o Rio Grande do Norte com uma força de 160 holandeses e centenas de índios. Os colonos ficaram aterrorizados. Alguns pagaram Rabi para que não os importunasse. Outros se refugiaram em fortificações e muitos foram mortos. Os colonizadores consideravam RABI "quase bárbaro como estes indômitos e cruéis gentios, que com eles havia muito tempo morado no sertão, e exercitado seus brutos e depravados costumes. Os tapuias paiacus se deram conta pela primeira vez da presença dos holandeses quando uma nau holandesa, que navegava ao largo da costa do Ceará, capturou um português e soltou 25 homens, mulheres e crianças tapuias que ele estava levando para serem vendidos como escravos no RN.

Durante alguns anos os tapuias vinham comerciando com os portugueses, trocando cativos por mercadorias. Em 1630 os portugueses já exploravam salinas naturais nas imediações de Areia Branca. O renomado historiador VINGT-UN ROSADO escreveu um livro intitulado "OS HOLANDESES NAS SALINAS DO RIO MOSSORÓ", em co-autoria com sua esposa Professora América Rosado (Vide Google - Arquivo PDF). Conta que os rios que delimitavam a produção salineira de GEDEON MORRIS DE JONGE e seus continuadores pseudo descobridores das salinas são o IWIPANIM, O MEIRITUPE e o WARAROCURY. Na linguagem travada dos Tarairiús o primeiro é o UPANEMA, com outra barra, entulhada no correr do tempo. O Upanema passou a receber o nome de APODI, caindo no atlântico em Areia Branca. Mas a zona das salinas, sabidamente identificada pelo português desde fins do Séc. XVI, é que teve rápida ocupação pela mão dos holandeses, ajudados pela indiada que depois se revoltou e matou os brancos. Essa era a zona das únicas salinas holandesas, terras litorâneas no município de Areia Branca. As salinas de Macau não foram trabalhadas pelos flamengos.


O Holandês ADRIANO WERDONCK, que era morador no Recife desde o ano de 1618, deixou informações sobre as salinas da região de Areia Branca, cuja descrição está inserida num livro de memória intitulado "DESCRIÇÃO DAS CAPITANIAS DE PERNAMBUCO, ITAMARACÁ, PARAÍBA E RIO GRANDE", apresentado ao Conselho Político do Brasil, em 20 de Maio de 1630. 

Esta memória foi publicada na Revista do Instituto Arqueológico e Geográfico Pernambucano - Ano 1901 - nº 55, traduzida pelo historiador ALFREDO CARVALHO. Eis um trecho do depoimento WERDONCKIANO sobre as salinas do Rio Apodi (Upanema, daquele tempo): 

"Quando ali há falta de sal, o Capitão-Mór do dito Forte do Rio Grande manda uma ou duas barcas de 45 a 50 toneladas a um lugar a 60 milhas mais para o Norte onde há grandes e extensas salinas que a natureza criou por si. Alí podem carregar, segundo muitas vezes ouvi de barqueiros que dalí vinham com carregamento de sal mais de mil navios com sal que é mais forte do que o espanhol e alvo como a neve. Vejamos o que nos diz outro credenciado historiador potiguar FRANCISCO FAUSTO DE SOUZA: 

"Um fato inédito da invasão holandesa foi a rebelião tapuia de 1644, com a destruição do Forte de Paneminha (atual rio do Carmo) e o trucidamento de GEDEON MORRIS e de todos os seus companheiros. Alguns tapuias, nessa época, de volta do Outeiro da Cruz, no Maranhão, onde tinham estado em combate, empenharam-se em luta com os trabalhadores nas salinas de Mossoró, degolando indistintamente a quantos alí encontravam.

(FONTE: Vide livro "BREVE NOTÍCIA SOBRE A PROVÍNCIA DO RIO GRANDE DO NORTE". autor: FERREIRA NOBRE). 

É possível que tenham sido os tapuias paiacus que habitavam as margens da lagoa e do rio PODY os autores deste massacre. É possível que estes holandeses tenham adentrado os sertões do Apodi, acompanhados pelo JACOB RABI, nestas barcaças que tinham a capacidade de carregar até 50 toneladas de sal.

Marcos Pinto - historiador apodiense
Copiado do Blog Potyline

Lindaura Silva - professora


MARIA LINDAURA DA SILVA, natural de Apodi, nascida a 16 de março de 1932, filha de Raimunda Silva. Foi casada com Luiz Teixeira de Morais, com quem teve oito filhos, sendo que apenas 04 estão vivos. Concluiu o Ensino Médio no Projeto Logos II e logo iniciou seu trabalho como professora municipal e particular. Dedicava-se diuturnamente ao ofício de mestre. Incansável na busca de promover a sabedoria daqueles que a procurassem, seja na sala da sua casa ou na escola municipal. 

Lindaura Silva foi uma grande educadora apodiense, por isso foi homenageada pela população de Apodi que através de uma enquete realizada pela Secretaria Municipal de Educação para se saber qual nome daria ao futuro estabelecimento de ensino erguido na administração municipal de Evandro Marinho, através da então Secretária Mara Marizete Duarte Marinho de Paiva, daí os gentílicos apodienses, principalmente a população estudantil, escolheram o nome da professora contemporânea Lindaura da Silva como patrona da Escola Municipal inaugurada no mês de março de 1998. Lindaura da Silva faleceu em sua terra natal, no dia 4 de maio de 1992.

Dona Lindaura deixou um legado de trabalho e luta em prol do município de Apodi, pelo qual foi reconhecida com o seu nome sendo colocando em uma das escolas da Rede Municipal de Ensino. Dona Lindaura, mãe de família exemplar, teve uma vida dedicada ao ensino em nosso município. Seus ensinamentos ainda hoje orientam outras gerações. Fez do ensino um ofício de amor e dedicação, tendo sindo bem merecida a homenagem que lhes prestaram. 

Fontes: Paisagens Femininas de Apodi – Maio de 2006 – Vilmaci Viana
Raimunda Neide – filha de Dona Lindaura.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Museus de Apodi

Conheça os Museus do município de Apodi 


Museu do Índio Luiza Cantofa 

Primeiro Museu Indígena do Estado do Rio Grande do Norte. Localizado na Rua Antonio Lopes Filho nº 105, centro de Apodi

Matéria do tudo de Apodi sobre o Museu Luiza Cantofa 


Museu Rural de Soledade 

Matéria do tudo de Apodi sobre o Museu Rural de Soledade


Museu do Lajedo de Soledade, sediado no Centro do Distrito de Soledade. 

Museu Rural de Soledade

Museu do Lajedo de Soledade, em Apodi/RN. 

Sobre o Museu: 


Resultado de imagem para PRAÇA EDUARDO TARGINO - SOLEDADE APODI
Praça Eduardo Targino, local onde localiza-se o Museu de Soledade. Foto: Jotta Maria, junho de 2013. 

O Museu Rural de Soledade foi fundado em 13 de janeiro de 1993 com ajuda da  PETROBRÁS, sendo atualmente mantido pela FALS(Fundação dos Amigos do Lajedo de Soledade). O Museu fica localizado na Praça Eduardo Targino, centro do Distrito de Soledade, no municipio de Apodi, na mesorregião Oeste Potiguar do Rio Grande do Norte. 

A visita ao museu proporciona um bom conhecimento de geologia, reunindo um  rico acervo de fósseis de animais primitivos que por ali viveram a milhares de anos, que foram encontrado no Lajedo de Soledade, um dos sítios arqueológicos mais importantes do país.

Museu abriga ainda em suas instalações utensílios de pedras utilizados pelos primeiros habitantes da região, os índios Tapuias Paiacus, possui um  amplo salão de exposições sobre as pesquisas realizadas na área, como também a história do Lajedo de Soledade e de pessoas que contribuíram para a sua preservação.

Sobre a FALS 
Símbolo da FALS

A Fundação dos Amigos do Lajedo de Soledade(FALS) foi criada em 1991, fundação mantenedora do Museu de Soledade, entidade jurídica que cuida do patrimônio histórico do Lajedo de Soledade. A Fundação é sediada no próprio Museu sendo responsável por  deliberar sobre vários assuntos concernentes ao funcionamento e continuidade do trabalho que a importante entidade realiza no Distrito de Soledade,  na zona rural do município de Apodi, no oeste do estado. A FALS é responsável por administrar o Museu Rural, o Sítio Arquelógico de Lajedo, a CAL(Centro de Atividades do Lajedo) e  ainda o  poço tubular comunitário que abastece o Distrito.

Placa de inauguração do Museu no ano de 1993,  contendo a primeira Diretoria da FALS 

Não podemos deixar de citar ainda a figura da grande escritora, historiadora e advogada apodiense Maria Auxiliadora da Silva Maia, carinhosamente conhecida por "Dodora Maia", uma das principais incentivadoras pelas criação da FALS, sendo inclusive uma dos sócios-fundadores, sendo sempre lembrada por todos os presidentes que a sucederam na Diretoria da entidade, pelos  seus relevantes serviços prestados para o Distrito de Soledade.

Diretoria - Os membros são eleitos  para um mandato de quatro anos 
A atual Diretoria da Fundação  é composta da seguinte forma: 

Presidente: Claudio Sena 
Vice-Presidente: José Inácio Targino 
1º Secretário: Airton Tenório 
2º Secretário: Josenias Freitas 
1º Tesoureiro: Expedito Targino 
2º Tesoureiro: Dorivan Gurgel 

Membros do Conselho Fiscal: 
Xavier Sena 
Zacarias Targino 
Rivonaldo Costa 

Suplente: 
Otacílio Reinaldo 

Conselho Científico 
Valdecir 
Cleber Porpino 

Diretoria eleita em 27 de fevereiro de 2016 
Mandato - 1º de março de 2016  a 1º de março de 2019 


Presidentes da FALS: 
Maria Auxiliadora da Silva Maia(Dodora Maia) - Sócia-fundadora
Adailton Targino - 2011 a 2013
Expedito Targino - 2013 a 2016 
Claudio Sena - 2016 a 2019

Visitas

O Museu Arqueológico de Soledade pode ser visitado de terças a domingo, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas.
Telefone para contato: (84) 3333 1017

Mais fotos do Museu: 












 Para saber mais a respeito do Lajedo de Soledade,  clique aqui  para ler a matéria do Tudo de Apodi. 


Fontes de consulta: Blog do Josenias Freitas
Portal Terras Potiguares News - Pesquisador Jotta Maria 

domingo, 8 de janeiro de 2017

Padre Chagas é o novo Pároco da Paróquia de Apodi

Hoje, 08/01/17 Na Solenidade da Epifania do Senhor, Celebrada pelo Nosso Excelentíssimo e Reverendissimo Dom Mariano Manzana Bispo da Diocese De Santa Luzia de Mossoró-RN, na Igreja Matriz da Cidade do Apodi-RN, foi celebrado a Santa Missa, com o rito da cerimônia de posse do novo Padre da Paróquia Apodi-RN. Tando presente, Padres, Diáconos, irmãos e irmãs, Famílias, Comunidades, cidades vizinhas, autoridades, e todo o Povo de Deus. 

Que Nossa Senhora da Conceição e São João Batista o abençoe hoje e sempre!

Seja bem vindo Padre Chagas a terra da Padroeira!

250 Anos de Fé e Evangelização!

Apodiense Lúcia Tavares viaja a Brasília-DF contra o fechamento da FUNAI-RN




As comunidades e grupos auto afirmados como indígenas do RN, formados por homens, mulheres e crianças das Nações Tapuias e Potiguaras, saem neste domingo em caravana rumo à Brasília, no Distrito Federal.

A finalidade é protestar contra o fechamento da Unidade da FUNAI no Rio Grande do Norte Na caravana está nossa líder Lucia Maria Tavares, com nossa colaboradora, a assistente social Flavia Lima, representando os povos Tapuias Pai acha do Apodi.
Por Lúcia Tavares em sua página no facebook:  

"Boa tarde estamos preparadas para irmos à Brasília os Tapuias paiacus do Rio Grande do Norte povos guerreiros e os Potiguaras do Rio Grande do Norte estamos partindo para Brasília querem Acabar com os direitos dos povos indígenas esse país tem uma dívida grande com os povos indígena,  que país é esse que não está respeitando os direitos indígenas.  Lúcia Maria Tavares e Flávia Lima com Deus no comando". 

Patrocínio com transporte: IFRN CAMPUS CENTRAL - NATAL/RN com o apoio do IFRN CAMPUS - CANGUARETAMA e IFRN CAMPUS - JOÃO CÂMARA. 



"É essa a bandeira que eu levo comigo,  a Bandeira do Rio Grande do Norte quando havia consideração no nosso estado com os povos indígenas e sempre ando com ela do meu lado esquerdo que foi na época que tinha o respeito com os povos indígenas. É ela que eu estou levando para Brasília", comenta Lúcia Tavares em sua rede social. 

Padres da Paróquia de Apodi - De 1776 até os dias atuais



Analisando minuciosamente as biografias dos sacerdotes que pastorearam o hospitaleiro e bondoso povo de Apodi, restou comprovado que raríssimos foram os que não demonstraram profunda afeição ao seu rebanho espiritual.

Curaram a Freguesia com a mesma abnegação dos discípulos de Jesus Cristo. Virtuosos na profissão de fé, empreenderam verdadeiras cruzadas em busca de melhores dias para seus paroquianos.

Vejamos a relação destes venerandos sacerdotes, desde a criação da paróquia até os dias atuais:

* Padre João da Cunha Paiva - . 1766 - 1776.
* Padre Jerônimo Teixeira Ribeiro -  1776 - 1779.
* Padre Joaquim José Teixeira  -  1779 - 1784.
* Padre Francisco Xavier de Souza Carvalho - 1784 - 1785.
* Padre José de Jesus Barreto -  1785 - 1786.
* Padre João Rodrigues Corrêia - 1786.
* Padre Manoel de Jesus Barreto - . 1786 - 1787.
* Padre Manoel Corrêia Calheiros Pessoa -  1787 - 13.07.1802.
* Padre Antonio Manoel de Souza - 1802 - 02.02.1809.
* Padre José Joaquim de Santana - 1809 - 1810.
* Padre José Pereira da Ponte -  1810 - 1813.
* Padre Faustino Gomes de Oliveira. -  1813 - 1856.
* Padre Florêncio Gomes de Oliveira. -  1856 - 1857.
* Padre Manoel José Rodrigues da Silva - 1857 - 1859.
* Padre Clementino José Fernandes - 1859 - 1866.
* Padre Antonio Dias da Cunha -  1866 - 1900.
* Padre José Antonio da Silva Pinto -  1900 - 1902.

* Padre Aristides Ferreira da Cruz - 1902 - 1903.
* Padre Moisés Ferreira do Nascimento -  1903 - 1904.
* Padre Lúcio Gomes Gambarra. -  1904 - 1907.
* Padre José Nunes de Sá -  1907 - 1910.
* Padre Elesbão Gurgel -  1911 - 30.01.1912.
* Padre José Soares -  1912.
* Padre Misael de Carvalho - 1912 - 1914.
* Padre Esmerino Gomes da Silva - . 04.04.1914 - 1916.
* Padre Fortunato Aranha Arêa Leão -  1929 - 1930.
* Padre José Gregório Júnior -  1931.
* Padre Nathanael de Medeiros - 1931 - 1933.
* Padre Raimundo Leão de Moura - 1933 - 1935.
* Padre Benedito Sabóia de Castro - 1935 - 1936.
* Padre José Wagner -  1936 - 1937.
* Padre Benedito Sabóia de Castro - 1937 - 1938.
* Padre Renato Menezes - 1939 - 1951.
* Padre Ismar Fernandes - 1951.

* Padre Padre José Aires -  1952.

* Padre Ismar Fernandes -  1953 - 1954.
* Padre José do Vale - 1955 - 1958.
* Padre Militino Leite da Cunha - . 1958.
* Padre Flávio Jerônimo do Nascimento -  1959.
* Padre Militino Leite da Cunha - 1959.

* Padre Hamílcar Mota da Silveira. -  1960 - 1964.
* Padre Adriano Hoogebon s.c.j. - 1964 - 1965.

* Padre Manoel Balbino da Silva -  1965.


* Padre André Demartelaere - 1970 - 1972.

* Padre Manoel Balbino da Silva  - 1973.

* Padre Felipe Werter s.c.j.  -  1974 - 1977.

* Padre Cornélio Overgaag s.c.j. - 1977.


* Padre Maciel Rodrigues da Silva  - 2010 - 2017

Padre Chagas - 2017 - 

Os Padres que curaram a Paróquia de Apodi assumiam, ora com o termo de Vigário "Encarregado", ora como Vigário Interino, ora como Vigário Colado.

 (FONTE: Vide livro "A DIOCESE DE MOSSORÓ" - autor: REINALDO DE LA PAZ).

Por  Marcos Pinto - Historiador apodiense e advogado apodiense. 

sábado, 7 de janeiro de 2017

Homenagem ao Padre Maciel Rodrigues


Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São João Batista de Apodi-RN. 

Gratidão Pela Vida Sacerdotal de Padre Maciel Rodrigues da Silva ao Serviço de Evangelização, trabalho prestado a Paróquia de Apodi-RN.



Maciel Rodrigues da Silva, natural de Fortaleza-CE. Filho de: Pedro Benedito da Silva e Gonçala Rodrigues da Silva. Maciel, jovem dedicado a Igreja e sempre a servir, Foi chamado por Deus para uma grande Missão.

Iniciando a vida religiosa com 17 anos de idade, na Casa de Formação Eudista em Fortaleza logo após no Seminário Valmaria em Bogotá - Colômbia, Paróquia de Nossa Senhora Aparecida em Salvador, Paróquia São João Eudes em Fortaleza e despois Frequentou o Seminário Mundo Jovem na Cidade de Fortaleza.

Hoje é Formado: Licenciado em Filosofia e Bacharel em Teologia. 

Certo momento, recebendo um convite pelo Bispo da Diocese de Santa Luzia de Mossoró, Dom Mariano Manzana para participar do clero, quando estava a terminar a faculdade de Teologia. Aceitando o convite, a nossa Diocese acolheu com muito amor pela proteção da Virgem de Ciracusa: Santa Luzia. 

Foi Ordenado Diácono Trânsitorio no dia 21 de Abril de 2010 na Cidade de Patú-RN, Paróquia de Nossa Senhora das Dores. No Dia 27 foi indicado para ajudar no serviço pastoral juntamente ao Padre Geraldo na Pároquia de Nossa Senhora da Conceição e São João Batista de Apodi-RN. Passando todo o período de Diácono Trânsitorio na Comunidade, ajudando nos trabalhos de Evangelização. 

No dia 21 de Novembro foi Ordenado Padre pela imposição das mãos do Reverendissimo e Incelentissimo Dom Mariano Manzana, para o serviço do povo de Deus e da tua Igreja! Assumindo como Padre Administrador a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São João Batista de Apodi-RN no Dia 28 de Novembro de 2010. Dai a paróquia teve a continuidade do serviço na área Pastoral, a continuidade da evangelização e realizando projetos, ajudando a cidade da melhor forma durante 6 anos. 

No dia 08 de Janeiro de 2017, Padre Maciel Rodrigues da Silva deixará a paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São João Batista de Apodi-RN para dar continuidade aos estudos em Recife. Junto com Padres e Seminaristas da Nossa Diocese de Santa Luzia de Mossoró-RN. 

Gratidão a Padre Maciel Rodrigues por todo o tempo dedicado de trabalho pela cidade de Apodi-RN. 

Muito obrigado. Que o Deus e Nossa Senhora da Conceição e São João abençoe sempre! 

Vida longa a Padre Maciel Rodrigues!

Texto: (Juliano Oliveira)

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Escola Estadual Antônio Dantas ofertará Curso Técnico em Edificações


OPORTUNIDADE: Analisando o crescente número de obras em nossa cidade, que alavanca a oferta de empregos na área da construção civil, a Escola Estadual Professor Antonio Dantas, em parceria com a SEEC/RN e MEC, oferecerá o CURSO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES, com 40 vagas para o início do ano letivo 2017, e duração de 03 anos. Dentro do Programa Brasil Profissionalizante e Ensino Médio Integrado, os alunos que vão se matricular no 1° Ano do Ensino Médio, poderão fazer a opção pelo curso ao solicitar sua vaga, a partir do dia 16 de janeiro, no endereço www.sigeduc.rn.gov.br, preenchendo as informações solicitadas. Caso o estudante não tenha acesso à internet, poderá se dirigir até a sede da Escola.

A seleção será feita pelo próprio Sistema (SIGEDUC) através das notas de Português e Matemática referentes ao 9° Ano, dados esses que deverão ser comprovados posteriormente, com o histórico escolar e documentação apresentada no ato de efetivação da matrícula. O curso funcionará no turno vespertino (de segunda a sexta), além de 02 dias pela manhã.

O Curso Técnico de Edificações tem como o principal objetivo formar profissionais na área de construção civil, habilitando os profissionais para participar de projetos de obras, planejar sua execução, supervisionar a execução de sistemas construtivos, participar do controle tecnológico de materiais e do solo, levantamento topográfico e planialtimétricos, cumprindo a legislação e as normas específicas de saúde e segurança do trabalho, meio ambiente e qualidade. Ele estará capacitado a atuar em empresas de pequeno, médio e grande porte, se destacando as indústrias de materiais para construção, bem como as fábricas de pré-moldados e outros segmentos da construção civil, podendo atuar também em áreas específicas, como na construção de estradas, trabalhando em laboratórios de pesquisa e desenvolvimento, assim como auxiliando no planejamento, orçamento, gerenciamento, controle e execução de obras.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Mesa-Diretora da CMA - Biênio 2017-2018

Vereadores Charton Rêgo, Genivan Varela, Soneth Ferreira e Júnior Carlos. Membros da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Apodi(CMA) para o biênio 2017-2018.  

No dia 01º de janeiro de 2017, após a posse dos vereadores da nova legislatura da CMA , ocorreu a eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Apodi para o biênio 2017-2018, com inscrição de chapa única a eleição ficou definida da seguinte forma: 

Genivan Varela (PCdoB) – Presidente
Charton Rêgo  (PTdoB) – Vice-Presidente
Júnior Carlos (PSB) –  1º Secretária
Soneth Ferreira (PP) – 2º Secretária

2016 - Vereadores eleitos em 02 de outubro

Vereadores  de Apodi eleitos na eleição municipal de 02 de outubro de 2016

Posse: Em 01 de janeiro de 2017.

 1. Júnior Carlos(PSB) - 1.553 votos

2. Soneth Ferreira(PP) - 1.507 votos

3. Gilvan Alves(PT do B) - 1.377 votos

4. Laete Oliveira(PTN) - 1,185 votos

5. Genivan Varela(PC do B) - 1.070 votos

6. Charton Rego(PT do B) - 1. 065 votos

7. Bebé Gama(PT do B) - 984 votos

8. Paulo de Telécio(PSD) - 931 votos

9. Chico de Marinete(PC do B) - 895 votos


10. Andreazo Alves(PSDB) - 865 votos

11. Elson Marinho(PRP) - 829 votos

12. Costinha(PSDC) - 814 votos

13. Angelo de Dagmar(SD) - 592 votos


OBS: Com a nomeação do vereador Laete Oliveira para assumir a Secretaria de Obras, assume o primeiro suplente, o vereador Evangelista Menezes.

No primeiro biênio((2017-2020)  dessa legislatura, o vereador Genivan Varela foi eleito Presidente da Câmara Municipal de Apodi(CMA).