Pesquisar neste blog

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Cuidar pra não acabar - Teresa Machado

Meu amigo hoje eu quero
De uma coisa lhe falar
É da nossa natureza
Que precisamos cuidar
Senão daqui a alguns anos
Ela pode acabar.
Deus fez um lindo planeta
Colocou o homem lá
Pra viver em harmonia
Na sua casa, no seu lar
Tirando da natureza
Somente o que precisar.
Mas por desobediência
Começou logo a pecar
Destruindo à natureza
Para poder enricar
E até o semelhante
Começou a massacrar.
Vou falar de linda terra
O nosso amado país
Gigante por natureza
O nome dele é Brasil
O homem que aqui vive
Considera-se feliz.
Mas também é conhecido
Pela tal corrupção
Políticos que ficam ricos
Tirando do pobre o pão
Roubam o dinheiro do povo
O perdão nunca terão.
Não precisamos correr
Pra buscar tanta riqueza
Pois quando o homem se vai
Pra Deus só leva a franqueza
Toda dinheiro que tem
Deixa aqui pra esperteza.
Observa meu país
Do Oiapoque ao Chuí
Arranha-céu tá subindo
Só se fala em construir
Cuidado humanidade
Poderás se extinguir.
Nosso solo era rico
Tudo se podia plantar
Hoje pouco ele germina
Transgênico foram inventar
E os grãos que matam a fome
Envenenados está.
O silêncio da floresta
Está sendo perturbado
Pelo som da moto-serra
E o toque do machado
O tesouro da Amazônia
Pro estrangeiro é levado.
Não vejo a Baleia Jubarte
Nadando no mar do sul
Os rios estão morrendo
Não tem mais Pirarucu
Procuro no horizonte
Cadê a Ararinha-azul?
Onde está o papagaio
Tucano, lobo-guará
E do jacaré a pele
Estão eles a arrancar
Pra fazer bolsa, sapato
Pras madames se amostrar.
Estão afetando até
A cadeia alimentar
Se cobra não come rato
Doença ele trará
Precisa ter a formiga
Pra tamanduá devorar.
O homem esburaca o solo
Procura ouro e rubi
E o mercúrio no rio
Faz o peixe inexistir
O pobre do ribeirinho
Muita fome vai sentir.
Tão acabando o minério
Prata, bauxita, metal
O cobiçado petróleo
É o mais essencial
Daqui a pouco eles vão
Acabar com o pré-sal.
Outrora o homem vivia
Sem luz, sem energia
E era o rádio de pilha
Que alegrava seu dia
Agora com internet
O passado repudia.
Por causa do aquecimento
Sentimos muito calor
O fumaceiro do cano
É o grande causador
Parece que cobriram a terra
Com um grande cobertor.
Onde estão nossas riquezas
À água, os mananciais
As frutas de nossas árvores
Muitas não existem mais
Aterraram nossos rios
Lixo acaba jamais.
Tem enchente no Nordeste
Ó que grande aflição
Tem o flagelo da seca
Que destrói a plantação
É a mudança do clima
Meu Deus que tribulação.
No sul agora é seca
No norte é temporal
Os dois castigam o nordeste
É o aquecimento global
O sofrimento do povo
É notório, é real.
Bom seria se o homem
Ao passado poder voltar
E a linda natureza
Começar a preservar
Tratar bem o planeta
A terra poder amar.
O que tenho eu com isso?
O que tenho eu a ver
Vou usar o meu bom senso
Pensar no que vou fazer
Lutar em prol do planeta
Pra não ver ele morrer.

Teresa Machado

Nenhum comentário: