Pesquisar neste blog

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Artigo: Acampamento do MST em Apodi é a busca por uma vida mais digna pelos agricultores familiares

Famílias residentes no acampamento do MST

No dia 13 de agosto de 2013, por volta das dez horas da manhã, membros de entidades vinculadas à ASA potiguar fizeram uma visita ao acampamento da chapada do Apodi. Esse acampamento é formado por cerca de 1.200 famílias que ocupam o território da chapada que possivelmente será ocupado pelo “Projeto da morte”, oficialmente denominado de projeto do Perímetro irrigado do Apodi. Na chapada do Apodi, localizada na divisa dos estados do Rio Grande do Norte e do Ceará, há uma disputa por dois modelos de agricultura. Um dos modelos está “enraizado” nas comunidades da região, e tem uma preocupação com a biodiversidade, a distribuição de renda e democratização da água e da terra. O outro, ao contrário, provoca a concentração de terra, de água e de renda e destrói a natureza.

Esse projeto prevê integrar as terras da chapada do Apodi e a água da barragem de Santa Cruz a cinco grandes empresas da fruticultura irrigada, o que destruiria a constituição econômica dessa cidade a qual é baseada na agricultura familiar, por meio da produção de mel e da criação de caprinos. Esse projeto está propondo irrigar cinco mil hectares de terra em sua primeira fase para produzir cacau – que é totalmente desconhecido na região – uva e goiaba, com base na utilização, em grande escala, de agrotóxicos e sob o domínio de cinco grandes empresas. Grandes nomes buscam transformar um território camponês produtor de alimentos saudáveis em uma zona de produção de frutas para exportação, e, com isso, transformar uma pequena parcela da população local em mão-de-obra barata, trabalhando sob condições subumanas, características do agronegócio brasileiro.

No entanto, agricultores, juntamente com o MST, e várias organizações da sociedade civil estão se organizando na luta de resistência contra a tomada da chapada do Apodi. A luta em defesa da Chapada do Apodi se tornou uma luta nacional de todos aqueles e aquelas que defendem a dignidade das comunidades camponesas.Um misto de sensações toma conta dos indivíduos ao chegarem ao acampamento da chapada do Apodi. Primeiro, um choque ao nos depararmos com o grande número de pessoas, (entre homens, mulheres, crianças, idosos e adultos), vivendo sem a menor condição, sem uma mínima decência de moradia, de saneamento, de alimentação ou de qualquer outro requisito.

Porém, o sentimento que acompanha esse espanto inicial não é de pena, como seria natural, mas sim de admiração por ver um povo tão forte e tão unido por uma vida mais justa, mais digna. Essa força é expressa inteiramente pelo clamor dos agricultores: Lutar, lutar, lutar e resistir. Lutar e resistir pela chapada do Apodi!

Leda Mayara - Comunicadora Popular do SEAPAC/RN

Artigo copiado do Blog Notícias do Campo

Um comentário:

Anônimo disse...

Creio que a situação sócio-econômica dessas famílias devem ser cuidadosamente analisadas. Há pessoas por aí que já tem emprego e moradia.