Pesquisar neste blog

domingo, 31 de agosto de 2014

Tardes (III) - Aluísio Barros

No céu...revoar de gaivotas;
ao longe...asas solitárias.
A solidão do voo da gaivota
é como o grito de amo
de um coração ateu:
fica pasmo
diante do silêncio
ruidoso do ar.

Anjo Torto - Aluísio Barros de Oliveira 

Nenhum comentário: