Pesquisar neste blog

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Povo do Sol

O José, quando criança, confundia o “Pôr do Sol” com “Povo do Sol” e pensava muito naquela gente que habitava o Astro-Rei. Como seria ela? As pessoas teriam duas pernas como nós? Seriam essas pessoas iguais aos terráqueos ou completamente diferentes dos humanos na constituição física? 

O seu maior desejo era ver de perto o “Povo do Sol”, que algum dia à tardinha, deveria aparecer por aí. Padre João, não falava tanto no “Povo do Sol”? E, o velho Hermínio, quando ia para o curral, não cantava na sua bela voz uma Ave-Maria, que parecia uma invocação do “Povo do Sol”? 

Também aquele retinir de sinos na velha matriz de São João Batista, todo fim de tarde, não seria por acaso uma homenagem ao “Povo do Sol”. 
Finalmente, toda aquela contrição e aquele enlevo que fazia o enternecimento das almas de suas velhas tias, Maria Leite, Cassimira e Abília, todos os dias no fim das tarde, não lhe davam a impressão da grandeza do “Povo do Sol”? 

O José se comprazia com a esperança de que um dia, nem que fosse por milagre, veria o “Povo do Sol”. E, também trabalhava para isso com todas as suas forças. Todas as tardes, ele esperava o ocaso do Sol, trepado na porteira do curral do seu avô, ali perto do antigo barreiro da velha Abília, nos fundos da rua São João Batista. 

Por fim o José viu o “Povo do Sol”. Certa tarde, ele estava no lugar de costume e notou uma grande nuvem de poeira, na direção da estrada da Ponta, aproximando-se do Apodi. Daí a pouco ela estava na altura do Córrego das Missões e, rapidamente, ia desembocar na cidade, tomando o rum da casa do velho coronel João Jázimo Pinto.

O José calculou que passaram mais de cem cavaleiros ao todo e humanos como nós mesmos. 
Era véspera de eleição no Apodi e os cavaleiros nada mais eram do que eleitores de Boa Vista, Bom Lugar, Passagem Limpa e outros sítios, que vinham votar no dia seguinte. 
A partir daí, o José tirou as suas dúvidas e veio a compreender que, “Pôr do Sol” e não “Povo do Sol” era a palavra certa. 

Fonte: Flagrantes das Várzeas do Apodi - José Leite(Separata de Pré-Lançamento)

Nenhum comentário: