Pesquisar neste blog

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Quanta Saudade - William Guerra

Ainda está aqui, na minha memória enrugada,
As imagens daquela rua pequena e sem guarda-noturno,
Não carecia da vigilância alheia,
O costume era amizade, sossego e bondade.
Rua descalça onde enterrei minha infância inteira!
Quantas vezes, à sombra pelas calçadas,
Brincava encantado com os redemoinhos velozes,
Rodopiando feitos dançarinos na ponta do pé,
Carregando a sujidade da rua,
Alertando do pecado pela gula à sesta,
Sumindo no eito do mundo,
Deixando o vácuo como um buraco no tempo.
Rua cansada de tantos anos vividos,
Testemunha de traições e aparências enganosas,
De alegrias e festas, de amantes aos beijos,
Quando era noite de lua cheia,
Os clarões entortados pela ventania,
As sombras de fantasmas pelos lençóis de areia.
Rua sem mistério, que guardava as mágoas,
Que dava alento às ilusões...
Se soubesses falar, enquanto vivias,
Ó rua dos meus sonhos, o que dirias,
Para os que a habitavam sem vexame,
Acostumados com tuas manias?
As casas agarradas umas nas outras,
Assim querendo dizer que eram irmãs...
E eram todas as moradias de cumeeiras altas,
Com suas telhas feitas pestanas,
E a frente das casas era que nem olhos,
Olhando o mundo, olhando a vida de cada um.
Rua que parecia num sorriso eterno,
Nascida antigamente, envelhecida,
Mas nunca sem deixar o carinho,
A ternura, a sua proteção e o seu amor...
Hoje, olhando para ti, a mudança monstruosa,
Com asfalto, portões de ferro não se vêem mais seus tetos,
Nem pestanas e aqueles olhos hoje tão escuros,
Parecem cegos, acabou com a tua vida essa mudança,
Ó rua onde enterrei inteira a minha infância!


De: William Lopes Guerra

Um comentário:

Marcos pinto disse...

Quanta inspiração no grande amigo e parente WILLIAM GUERRA! É verdade. Quantas saudades dos mudos DUDÉ,que alguns chamavam de mudo Pincel, e do mudo Paulo,dos Caetano,que só andava com uma bolsa de palha de carnaúba posta na frente do sacro escrotal avantajado,acometido por hidropsia (acúmulo de água nos testículos).Saudades dos balões juninos,feitos pelo Sr. Chico Guarda, e que subiam aos céus,soltos do patamar da Igreja-Matriz. Saudades das conversas noturnas na calçada da casa de Rodolfo Gama.