Pesquisar neste blog

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Luiza Cantofa - guerreira indígena

Foi uma guerreira indígena natural de Apodi/RN, pertencente à tribo dos índios Tapuias Paiacus, que foi brutalmente assassinada na cidade de Portalegre/RN, no dia 03 de novembro de 1825. 

Segue abaixo a história contada sobre Cantofa: 

A notícia da existência de Cantofa na serra de Portalegre se espalhou e o povo foi à procura de Cantofa. Debaixo de um frondoso cajueiro, dormia ela a sesta quando foi despertada pelo povo. Abrindo um pequeno oratório, ajoelhou-se aos pés do Cristo Crucificado e começou a rezar o ofício de Nossa Senhora. Jandy, banhada em lágrimas, pedia perdão ao povo, perdão para sua querida avó. Um dos algozes vendo o pranto de Jandy e as rezas da velha cabocla diminuíam a satisfação do seu extinto sanguinário, aproximou-se dela e quando a velha rezava a coluna: “Deus vos salves relógio, que andando atrasado serviu de sinal…”. Cravou o punhal no peito da anciã que caiu fulminada e levada em sangue. Jandy caiu desmaiada aos pés da sua avó. No dia seguinte, Cantofa foi sepultada no mesmo lugar onde foi assassinada. Jandy não mais foi encontrada e não se sabe o seu destino. 

Segundo a tradição popular, o local da morte de Luíza Cantofa corresponde àquele local onde hoje existe a chamada Fonte da Bica distante cerca de 400 metros do centro da cidade de Portalegre. Afirma a tradição popular que, durante muitos anos, o lugar do falecimento da velha Luíza Cantofa ficou mal-assombrado. Algumas pessoas que dali se aproximavam, ouviam claramente uma voz a rezar o Ofício de Nossa Senhora. 

Fonte de Pesquisa: Apodi, Sua História - Válter de Brito Guerra

Luiza Cantofa é patrona de uma pequena rua, localizada no Bairro IPE, bairro que dá acesso à entrada da cidade.
  
No ano de 2016, durante a II Semana de Linguagens realizada no mês de abril pelo IFRN de Apodi, seu nome foi o escolhido para ser a Patrona do novo Auditório do Campus Apodi, que passou a ser chamado de "Auditório Luiza Cantofa". Ela foi escolhida em uma votação feita pelos professores, servidores e estudantes do Campus Apodi. Uma justa homenagem para os povos Tapuias Paiacus do Apodi, visto que Luiza Cantofa foi uma grande guerreira indígena, a primeira líder feminina do movimento indígena do sertão do Apodi. 

Também é Patrona do Museu do Índio de Apodi, considerado o primeiro Museu Indígena do Estado do Rio Grande do Norte, que  abriga peças e artefatos dos primeiros habitantes das terras apodienses, os índios Tapuias Paiacus. Fica localizado na Rua Antonio Lopes Filho, nº 105, na cidade de Apodi/RN. 

Visite a página do Museu do Índio Luiza Cantofa no facebook, clicando aqui

sábado, 6 de agosto de 2016

Apodi tem Parque de Vaquejada - Wendell Morais

APODI TEM PARQUE DE VAQUEJADA
Com espaço amplo e estrutura modernizada.
Tem vaqueiro bom, cavalo corredor e boa boiada
Tem restaurante supimpa e até churrasco de graça.
APODI TEM PARQUE DE VAQUEJADA
Organização de Milton Sales com muita garra.
Há muito tempo produz essa festa, essa jornada
Trazendo turismo, banda boa, diversão e gargalhada.
APODI TEM PARQUE DE VAQUEJADA
Com locutor arretado, a saber: segura peão!
Muita mulher bonita, carne assada e curtição
Vaqueiro feliz, a saber: valeu boi meu irmão!
APODI TEM PARQUE DE VAQUEJADA
Nome: Francisco Ferreira Sales na faixada.
É tradição essa festa de arromba para garotada
No mês agosto é lá o clube da farra.
ESCRITOR: WENDELL MORAIS.

“Se escrever é uma arte, rimar é doce alegria, ler é uma honra, fazer o bem é sabedoria. Todavia, morar em Apodi é privilégio que somente nós desfrutamos todos os dias.” (Wendell Escritor)

Apodi,  29/10/2013.