Pesquisar neste blog

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Saúde Paiva - assistente social


MARIA DA SAÚDE PAIVA DE GÓIS, mais conhecida por “Mariinha”, nasceu no Sítio Córrego, Apodi, RN, aos 21 de junho de 1963, filha do casal Manoel Hildo de Paiva e Letice Ferreira da Silva.  É a mais velha de uma família de quatro irmãs. Inez, Toinha e Eunice. O pai agricultor exerceu a profissão de barbeiro por muitos anos, na comunidade do Córrego, também foi pedreiro e carpinteiro. A sua Mãe dona Letice como era chamada foi professora  de escola multisseriada, ensinando as primeiras letras a quase todas as crianças daquela comunidade até a década de 90.

Maria da Saúde cursou até a 3ª série com sua mãe, estudando na própria casa, pois naquela época não existia grupo escolar ou escolas rurais como nos dias de hoje.  Veio cursar a 4ª série na cidade de Apodi, onde reside até hoje. Logo que chegou a Apodi, passou a frequentar a Biblioteca Pública Municipal, lendo avidamente todos os livros e romances que eram emprestados pela Biblioteca. O saudoso Zé de Valter era quem tomava de conta da Biblioteca na época, falava que a mesma não tinha idade para ler os livros de Jorge Amado e outros autores, mas tanto ela pedia que o mesmo emprestava. Tomou gosto pela leitura que é seu passa - tempo favorito até os dias de hoje.

No ano de 1977 entrou para o GRUJAP, grupo de jovens da Igreja Católica, onde passou a conhecer os problemas sociais, pois lá não só se vivia a religião, mas, principalmente a discussão dos problemas sociais vigentes. Imaginem na época da ditadura militar, cidadãos sem nenhum direito, sem poder participar politicamente, sem nenhuma política pública atuando como hoje, a pobreza, a miséria, o analfabetismo da população eram problemas gritantes. Os jovens tinham uma inquietação enorme, uma sede de mudança, de novas perspectivas e aí o grupo de jovens era o canal de novas ideias, de busca, de luta, onde a voz ainda era amordaçada. Foi o inicio de uma nova empreitada, pois convivendo ao lado de jovens audaciosos e inteligentes como: Manoel Georgino, Edmilson Lopes, Edivan Pinto e outros, sentiram a necessidade de transformação e aí passou a fazer parte do Partido dos Trabalhadores, se engajando na luta pela igualdade de todos na política, fossem trabalhadores, estudantes e se engajando também nas campanhas da ACENIS, mesmo antes de cursar a universidade. 

Na década de 80, conheceu Irene Böehme, uma Assistente Social alemã, que através da Cooperativa de Apodi veio atuar nas comunidades rurais pelo desenvolvimento social deste município. Trabalhando junto com Irene, ajudou a criar o grupo de teatro do Bico Torto, Grupos de crianças em Soledade, Bico torto, e na cidade, a primeira Associação dos trabalhadores Rurais de Apodi, a Associação dos Mini Produtores do Sitio Água Fria.  Engajou-se ou ao lado do atual presidente Edilson Neto, nas lutas para mudança do STRA, para que a entidade passasse a se comprometer com a defesa dos trabalhadores e trabalhadoras como se encontra até os dias de hoje. Assessorou a implantação da Comissão de Mulheres do STRA.

Participou da Comissão Pastoral da Terra da Diocese de Mossoró, Pastoral que lutava em defesa dos pequenos agricultores sem terra.  Integrou a Comissão de Direitos Humanos da Diocese de Mossoró. Ainda ao lado de Irene, criou grupo de mulheres, de mães e o MAC- Movimento de Adolescentes e Crianças, acompanhando crianças carentes através de brincadeiras, eventos, orientações e defesa dos direitos. Implantou bombas manuais nas comunidades de Grossos, Arção, Baixa Fechada. Foi às frentes de emergência, registrar e denunciar o tratamento desumano impigido às mulheres que precisavam trabalhar para não deixar os filhos morrerem de fome. 

Todas essas lutas geraram frutos, pois hoje temos um dos municípios mais organizados do RN, com mais de 30 Associações de Trabalhadores Rurais, mulheres participando das entidades e lutando por seus direitos nas associações e projetos de Assentamentos rurais, que foram criados a partir da Organização sindical fruto das lutas daquela época.

Em 1984 entrou na faculdade de Serviço Social- UERN Mossoró, na época FURN, ainda particular, lutou muito, pediu ajuda, arranjou uma bolsa, pois não podia pagar a faculdade. Pagava o ônibus para ir até Mossoró todos os dias, pois não havia ônibus de estudantes pela manhã, apenas um à noite e o curso de Serviço Social só funcionava pela manhã. Ainda no final de 87 passou no concurso público do Estado como Assistente Social da Saúde, (primeiro concurso realizado após a Constituição Federal) antes de concluir o ensino superior.  Começou a trabalhar em fevereiro de 88 na cidade de São Miguel/RN e no ano seguinte foi transferida para o Hospital Regional Hélio Morais Marinho, onde atua até hoje.

Junto a Igreja, fundou a Pastoral da Saúde e a Pastoral da Criança, com o primeiro grupo organizado no Conjunto IPE. A pastoral da Criança continua até hoje na paróquia de Apodi.  

Na década de 1990 iniciou um trabalho no sitio Santa Cruz, formando um grupo de mulheres através da Visão Mundial. Depois passou a trabalhar no CDCRMA, PDA Santa Cruz acompanhando crianças, mulheres e associações rurais onde o Conselho atuava através do apadrinhamento de crianças. 
No ano de 2004 a 2008 foi coordenadora da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social do Município de Apodi.  De 2010 a 2012 trabalhou no CRAS Rural de Soledade. 

Foi membro do Conselho Municipal de Saúde, Conselho Municipal de Combate a Mortalidade Materna, Conselho Municipal da Mulher, Conselho Municipal do Trabalho. Atualmente é presidente do Conselho Municipal da Assistência Social. Saúde Paiva é casada com Gilvan Lima de Góis. Mãe de um casal de filhos: Ruana e Pedro Henrique

Nenhum comentário: