Pesquisar neste blog

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Mônica Freitas - professora

MARIA MÔNICA DE FREITAS, filha de João Batista de Freitas e Rita Moreira de Freitas. Nasceu no dia 04 de maio de 1966, numa quarta-feira, de parto normal feito em casa, naturalmente cumprindo toda a essência da cultura dos seus ancestrais: os Índios Tapuios Paiacus, tribo que representa  os nativos aqui existentes antes da colonização portuguesa. Suas origens tanto no que se refere à genealogia paterna quanto materna, tem uma história de misturas raciais entre índios, brancos e negros, uma vez que. 

Seu pai João Batista, mais conhecido como “Cordeiro de Zé Bico” é bisneto da índia Luzia, habitante da antiga localidade hoje conhecida como Bairro Bico Torto; também tem herança sanguínea com a família Nogueira, a mesma dos colonizadores registrados no Livro das Sesmarias, onde consta a concessão feita por meio da Carta  de  Data  de  Sesmaria  concedida  em 19  de  Fevereiro  de  1680 e vê-se os nomes de  Manoel  Nogueira  Ferreira, João  Nogueira Ferreira e Antônia de  Freitas Nogueira, além de outros portugueses que os acompanhavam vindo de Pernambuco e passando pelo Ceará, até chegar em Apodi. 

Sua mãe Rita Moreira tem do lado da mãe a genealogia dos “Moreiras”, família que originalmente habitou e alguns membros ainda habitam a região de Santa Cruz, Santa Rosa e terras do vale até o Sítio Caboclo. Enquanto isso, do lado do pai pertence à família “Inglês”, que segundo comenta-se também tem origem europeia, advinda da Inglaterra. 

A professora Mônica Freitas, como atualmente é conhecida, é uma mulher de história semelhante às demais mulheres apodienses e porque não dizer nordestinas. Quando criança passou por todas as situações de pobreza e miséria que caracterizam o nosso sertão. Foi vítima de secas, morou em casa de taipa. Era de uma família muito carente, mas com um diferencial não muito aplicável às famílias que têm esse caráter nos dias de hoje: sempre acreditou na escola como redentora, como impulsionadora do avanço pessoal e social. Nunca fez o ensino infantil, pois na época não existia, começou a estudar em escola de zona rural multisseriada. Sua primeira professora foi Maria Alaíde da Costa, responsável por sua alfabetização na Escola Isolada Ponta D’Água, lá estudou até a 2ª série. Em seguida, foi estudar na Escola Estadual Ferreira Pinto, a 3ª série com Toinha de Guilherme e a 4ª com Ritinha Gomes. Fez todo o ginásio na Escola Estadual Professor Antônio Dantas. Fez também o curso de Habilitação ao Magistério na mesma escola. 

Foi este curso que permitiu a entrada no rol de servidores públicos do Estado como professora. Depois já como professora do Estado ingressou na UERN, para cursar Letras e depois de graduada, fez Especialização na Faculdade Vale do Jaguaribe. A professora Mônica foi uma estudante aplicada em todos os níveis escolares.

Quanto à sua paixão pelos livros, a mesma relata que a melhor mediadora de leitura de sua vida foi a sua avó materna Antônia Moreira (In memorian), apesar de a mesma ser analfabeta. O fato é que quando criança, sua avó contava “histórias de trancoso” e recitava a literatura de cordel com tanta criatividade para ela que estimulou a curiosidade em saber de onde vinham tais textos. Ao ser alfabetizada e descobrir que tudo era registro de livros, criou gosto pela leitura literária infantil, e daí foi um passo para se tornar uma leitora assídua de todos os gêneros. Ela cita, que ainda como mediadora de tal caráter, está a sua tia Joana Valentim de Freitas (In memorian), professora na época, conhecida como Joana de Zé Bico, pessoa que permitiu o acesso aos livros onde foram encontradas as histórias contadas pela sua avó. 

A professora e hoje também poetisa Mônica Freitas casou-se duas vezes. Do primeiro casamento com Raimundo Gomes de Lima geraram-se três filhos: Luiz Carlos, Laédson Freitas e Luana Mirtes. Hoje é casada com um dos socorristas do SAMU Apodi. 

Além de ser Graduada em Letras com  Habilitação para o Ensino de Língua Portuguesa é Especialista em Leitura, Literatura e Produção de Texto e poetisa. Afirma que a veia poética somente foi descoberta quando estava cursando a faculdade de Letras na UERN. Seu primeiro texto poético foi escrito na madrugada, quando estava sozinha, sentada à calçada do cemitério à espera do ônibus da Prefeitura de Apodi para ir à cidade de Mossoró. O texto é intitulado de “Madrugada” e trata-se de um conto poético curto. 

Daí para cá, Mônica Freitas, quando inspirada escreve o seu pensamento de uma forma reflexivamente poética, com uma inspiração e melodia que encantam a leitura, uma vez que consegue estimular a visão da alma.

Poesias de Mônica Freitas 



Nenhum comentário: