Pesquisar neste blog

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Família Duarte - Por Marcos Pinto

Subsídios para a história da Família Duarte

Brasão da Família Duarte

O primeiro expoente da família DUARTE a pisar em solo Apodiense, e nele fixar residência, foi o agropecuarista DELFINO DUARTE DÓRIA, oriundo da cidade de Mossoró-RN, de onde era natural. Descendia de velhos troncos familiares dos OLIVEIRA LEITE entrelaçados aos DUARTE, pioneiras no processo de colonização das paragens que viriam a dar origem à cidade de Mossoró.

DELFINO era casado com AMÉRICA THOMÁZIA DOS SANTOS, tendo fixado moradia na fértil várzea de Apodi, onde comprou terras nos sítios "Joazeiro" e "São Lourenço". Da extensa prole desse casal destacaram-se JOSÉ DUARTE DÓRIA, e ANTONIO DUARTE DÓRIA, este, nascido no sítio "Joazeiro" a 21 de Janeiro de 1900. Teve papel relevante na história de Apodi, tendo sido o primeiro Apodiense a instalar uma panificadora na pacata cidade, no mesmo local onde o Sr. JOSÉ FERREIRA DA COSTA, mais conhecido como ZÉ BOLACHA, continuou a comercialização de pães e bolachas, utilizando o mesmo maquinário e equipamentos antes utilizados por Antonio Duarte Dória, sendo certo que este residia naquela casa (da esquina) situada vizinho à Agência dos Correios e Telégrafos, que ainda conserva a arquitetura original em sua fachada.

Este comerciante do ramo de panificação foi o primeiro a adentrar a residência do Cel. FRANCISCO FERREIRA PINTO, logo após o seu covarde assassinato, ocorrido por volta das oito horas e meia da noite, segundo consta nos autos do processo que apurou a morte deste benemérito líder político Apodiense.

O Sr. JOSÉ DUARTE DÓRIA seguiu a mesma faina do seu genitor, tendo, com esforços próprios, adquirido por compra, terras na várzea, onde amealhou condições econômicas que proporcionou criar a sua prole em considerável conforto. Foi o genitor do conhecido fazendeiro ANTONIO DUARTE DE MORAIS, grande produtor de cera de carnauba, e também comprador, cuja mercadoria vendia em Fortaleza-CE, precisamente na renomada firma comercial denominada de "Machado S.A". Antonio de Zé Duarte, como era popularmente conhecido, casou com a Sra. LIZETE MARINHO, mulher dinâmica e batalhadora, e são os pais de Fanfanta e Neto Duarte, dentre outros filhos do casal. O Sr. FRANCISCO DUARTE DE MORAIS (Chico de Zé Duarte) foi outro filho do velho José Duarte Dória.

Continuando a prole de DELFINO DUARTE, espalhada na várzea, encontramos uma filha de nome ISOLINA MARIA SOARES, que veio a casar com o Sr. JOSÉ GOMES DE MORAIS, conhecido como ZÉ SEVERO, filho de Severo José de Morais e de Isolina Cardoso da Conceição. Isolina Soares faleceu no sítio "São Lourencinho", em consequência de parto, a 04.07.1934, aos 41 anos de idade, deixando 11 filhos órfãos: FRANCISCA (Com 22 anos de idade); MELQUÍADES (21 anos); FÉLIX (17 anos); MANOEL (16 anos); PLÁCIDA (15 anos); ANTONIO (14 anos); MARIA NAZARÉ (13 anos); BENEDITO (Pai de Cimar - 11 anos); JANDIRA (04 anos); SEBASTIANA (10 anos - mãe de Lourdes e de Ivan); ALZIRA (02 anos de idade). (FONTE: Livro de Registro de óbitos do Primeiro Cartório Judiciário de Apodi).

Há um outra vertente da família DUARTE radicado no sítio "Boa Vista", representada na pessoa do sr. LUIZ DUARTE FERREIRA, natural de Mossoró, casado com Maria Joaquina da Conceição, da família Carvalho, e que foram pais do Sr. ANTONIO DUARTE DE CARVALHO, que faleceu no sítio "Boa Vista". A 26 de Maio de 1928, aos 63 anos de idade, deixando viúva a Sra. Mariana Duarte de Carvalho, e um filho de nome Raimundo Ferreira de Carvalho, casado com Joana de tal.

A história e os documentos oficiais revelam que a honrada e profícua família DUARTE, disseminada na várzea do Apodi, tem contribuído decisivamente com o progresso do município, desde a primitiva Vila do Apodi até os dias atuais. A dinâmica família DUARTE assume emblemática posição nos capítulos da história, que tratam do desenvolvimento do município de Apodi e região. Rendo um preito de homenagem à esta brava família, composta por homens e mulheres que alavancam o nosso progresso.

Por Marcos Pinto - historiador apodiense
Do blog ApoDiário

Nenhum comentário: