Pesquisar neste blog

domingo, 9 de junho de 2013

Pedro Noronha (II) - Por Marcos Pinto

Pedro Noronha - um desbravador apodiense na floresta amazônica (II)

Pedro Noronha e os seringueiros apodienses

A saga do segundo ciclo econômico da borracha (1942/1945) na floresta amazônica tem nomes de inúmeros apodienses amalgamados nas páginas de sua sua história. Posso imaginar suas horas de angústias e aflições caladas e reprimidas na solidão de suas noites, no isolamento daquela floresta a que voluntariamente se recolheram na busca por melhores dias para suas famílias que ficaram em Apodi. Todas as contingências adversas foram, sem  dúvidas, embora jamais externados, profundos choques que lhes atingiram os corações generosos. 

Lá no seringal muitos se deixaram ficar, sem perspectivas senão o descanso final para corpos baqueados pela malária e febre amarela. Foram homens que as mais humildes ilusões perderam no seu cotidiano e ingrato labutar. Heróis anônimos que equilibravam-se de acordo com as circunstâncias, entre tendências em conflito e a permanente insatisfação pelo salário obtido na extração do látex, não condizente com os árduos dias de suor e lágrimas. O desenvolvimento urbano das cidades de Manaus e Belém do Pará deve-se à estes intemeratos homens, sendo certo que muitos apodienses resolveram fixar residência definitiva nestas cidades polos, concretizando a triste realidade dos que fizeram O CAMINHO SEM VOLTA. 

SEMTA - Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia. 

Não há como fazer a abordagem histórica sobre o segundo ciclo econômico da borracha sem fazer referência ao SEMTA - Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia. Criado em 1943 pelo então Presidente Getúlio Vargas, tinha como finalidade principal o alistamento compulsório, treinamento e transporte de nordestinos para a extração da borracha na amazônia. A matéria-prima era fornecida aos aliados da II Guerra Mundial. O SEMTA fazia parte do Departamento Nacional de Imigração (DNI). 

Era financiado por um Fundo Especial da RUBER DEVELOPMENT CORPORATION (RDC), criado com o selamento dos acordos de Washington - E.U.A. O RDC era financiado com capital das indústrias Estadunidenses. O SEMTA tinha a sua sede em Fortaleza. O indômito PEDRO NORONHA foi uma figura de proa no processo de agenciamento e recrutamento de mão-de-obra desses heroicos homens e mulheres apodienses, que deixaram sua terra e sua gente para enfrentarem os desafios do eldorado amazonense. A escolha do nordeste como sede do SEMTA deveu-se essencialmente como resposta a uma seca devastadora na região e à crise sem precedentes que os agricultores enfrentavam. 

Soldados da borracha, partindo de Fortaleza, Ceará, no ano de 1943 

Pedro Noronha atuava como um dos prepostos do RDC/SEMTA, custeando as despesas dos deslocamentos desses trabalhadores braçais, que logo passaram a serem conhecidos como "SOLDADOS DA BORRACHA". De Apodi à Fortaleza a viagem era feita em um caminhão apinhado de homens. Em Fortaleza eram acomodados em locais conhecidos como os CURRAIS DO GOVERNO, de onde eram conduzidos até o Porto,onde embarcavam com destino à Belém do Pará e Manaus, numa viagem que podia durar de 2 a 3 meses. O governo dos Estados Unidos pagava ao governo brasileiro 100 dólares por cada trabalhador entregue na Amazônia. 

O Nordeste foi o principal fornecedor de mão-de-obra para a extração e comercialização da borracha, tendo enviado 54 mil trabalhadores, sendo 30 mil deles apenas do Ceará. Observe-se que os potiguares eram embarcados em Fortaleza como se fossem cearenses. Como os seringais estavam abandonados desde o término do PRIMEIRO CICLO DA BORRACHA - 1879/1912, e não mais de 35 mil trabalhadores,  permaneciam na região, o grande desafio do Presidente Getúlio Vargas era aumentar a produção de látex (seiva/leite vegetal que cozida se transforma em borracha) de 18 mil para 45 toneladas, como previa o acordo com os Estados Unidos. 

Para isso seria necessário a força braçal de 100 mil homens. Dentre os apodienses recrutados pelo Sr. PEDRO NORONHA para trabalharem no seringal "Igualdade" destacaram-se a viúva dona VIGOLVINA e seus dois filhos JOÃO e PINTA, como também Manezim Reinaldo e esposa, pais de Raimundo da Cantina, que nasceu no "Igualdade" pelas sacrossantas mãos de uma parteira, diligenciada pelo jovem Francisco Paulo Freire (Chico Paulo) que contava 18 anos de idade e também labutava naquele famoso seringal. Cito, ainda, por fonte segura, os seringueiros apodienses CHICO CACHIMBINHO e seus dois genros WILSON NORONHA e NORONHINHA; JOÃO VALDEVINO, casado com Maria de Freitas, irmã de Sebastião de Freitas, que por sua vez era genro de Pedro Noronha, casado que era com Amélia Noronha. Sebastião era natural de São Sebastião de Mossoró, atual cidade de nome Governador Dix-Sept Rosado, filho de Pedro de Freitas Costa e de Raimunda de Freitas Costa. 

Neto paterno de Pragmácio, conhecido como PREGMÁCIO, muito conhecido por ser dono de uma venda/rancho à margem da antiga estrada que margeava o Rio Apodi, em terras da antiga povoação de São Sebastião de Mossoró. Esta pousada do PREGMÁCIO era ponto de parada para repouso dos animais que compunham comboios de mercadorias e seus respectivos comboieiros. A esposa de João Valdevino faleceu em decorrência de um parto, em que a filha sobreviveu, o que fez com que o mesmo retornasse com a filha para o Apodi, onde tinha um sítio. Mais tarde essa filha faleceu, à exemplo de sua mãe, em decorrência doparto.

 A composição dos seringueiros do "Igualdade" contava com muitos parentes do Pedro Noronha, destacando-se o seu irmão JOSÉ UMBELINO DE NORONHA FILHO, que era casado com Alice e que no ano de 1944 tinha duas filhas de nomes Estelita e Telina (Quelina). Tinha o JACINTO NORONHA, sobrinho de Pedro, e casado com uma filha deste, de nome LINDALVA, ainda vivos e gozando de plena saúde. Tinha o JOÃO BASÍLIO, genro de Pedro, posto que casado com ISABEL NORONHA. Ainda as figuras do SEBASTIÃO NORONHA, que era surdo-mudo e primo de Pedro, casado com dona QUERIDA, e o Sr. TIBÚRCIO NORONHA, que tinha uma filha com problemas psíquicos, de nome Rita. 

Labutavam também no "Igualdade" os intrépidos irmãos JOÃO EVANGELISTA PINTO e JOÃO GOMES PINTO, conhecido como JOÃO DO SALGADO, filhos de Telésforo Gomes Pinto. O primeiro era casado com Maria de Lourdes, irmã de Palmira Carvalho. O 2° era casado com Maria Severina de Carvalho, irmã de Raimundo Nonato de França, que por sua vez era caado com PALMIRA PINTO DE CARVALHO, filha de Antonio Lucas de Carvalho e Antonia Gomes Pinto. Raimundo e Palmira foram para o Amazonas em junho de 1949 com uma filha de dois meses de idade, de nome FÁTIMA FRANÇA, que colaborou decisivamente para a elaboração deste despretensioso artigo. PEDRO NORONHA faleceu em 12 de setembro de 1987.

Por Marcos Pinto - historiador apodiense
Matéria copiada do: Blog Potyline

Nenhum comentário: