Pesquisar neste blog

terça-feira, 28 de maio de 2013

Sede de liberdade - Raimundo Torres

Em uma noite qualquer,
Não pensarei como agora.
Não sentirei a brisa noturna...

Em uma noite qualquer,
Estarei a sorrir e a abrir
Meus braços pra um mundo diferente.
Sonharei.
Silenciarei perante mim.
Fingirei não existir.

Em uma noite qualquer,
Lá estarei a contemplar
A quietude de um ser,
Que, com medo caminha emudecido.
Ele sentirá medo.
Sentirei pavor.
Pavor como qualquer, que
Na ingenuidade para ante tempo, tudo e todos.

Gritarei ante a noite um canto triste.
E ecoarei de mim um
Soluço-pranto com sede de LIBERDADE.

E uma noite qualquer, despertarei meu ser calado...
E assim, como quem tem asas,
Num voo quieto, não serei mais eu...
Apensas uma LEMBRANÇA.

Nenhum comentário: