Pesquisar neste blog

sábado, 4 de maio de 2013

Juventude divina - Paulo Filho Dantas

“Mesmo sabendo ainda pergunto
Por que a vida sempre termina
Sem desfrutarmos da divina
Juventude de aceno sunto?

Eternamente ela, só vai
E choramos quando passou,
Saber que o desejo acabou
E a estrela candente – cai.

Nossa mais contumaz alegria
Vira, num instante, fantasia
E entregamo-nos ao tempo.

Que tenta nos conformar
Com a cicatriz do pensar
E a félica dor do sofrimento’’.

Copiado do: Caminho do Meu Ser

Nenhum comentário: