Pesquisar neste blog

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Coronel Lucas Pinto visto sob a ótica do historiador apodiense José Leite

Coronel Lucas Pinto

"Luquinha  de  Dodô  ou  simplesmente  Luquinha, o  Lucas  Pinto, foi  uma  das  grandes  personalidades  apodienses  nos tempos  passados, formado  na escola  de  seu  irmão  Coronel  Chico  Pinto. Dele  recebeu  todo  o  incentivo  necessário  para  suceder-lhe  na  direção  da  herança   partidária  de  Ferreira  Pinto  e  de  João  Jázimo  de  Oliveira  Pinto, tarefa  que se  desincumbiu  com  muita  eficiência  e  galhardia.

O  Luquinha, descendente  de  uma  família  pobre, trabalhou  "no  pesado"  e,  em  1919, ano de seca  calamitosa, foi  "tirador  de  macambira", chegando a  colher  60  dúzias  de  cabeças  dessa  planta, em  um  dia  de  trabalho, uma  quantidade  fantástica, que  pouquíssimas  pessoas  conseguiam  alcançar  e  que  lhe  valeu  o  título   de  maior  tirador  de  macambira, na  sua  época.

O  velho  Lucas  Pinto chegou  também  ao  comércio  local  e  das  vizinhanças  por   longos  anos  e  a  fortuna  que  conseguiu  nas  atividades  comerciais  e  industriais  lhe  possibilitaram   conceder  crédito a  quase  todos  os  agricultores  e  fazendeiros  da  região, durante  um  período  superior  a  quarenta  anos.

Na  política, o  velho  Luquinha  enfrentou, tal  qual  seu irmão  Francisco  Pinto, as  maiores  batalhas  e  as  mais  violentas  perseguições, conservando   o  poder  até  a  sua  retirada  da  política, sucumbido  pela  avançada  e  gloriosa  idade.  Na  acirrada  fase  política  que  surgiu com  o  Partido  Popular (O  Perrepismo), logo  depois  da  revolução de  1930, o  Luquinha   nunca  se  assustou  com  as  estrepolias  de  Benedito  Dantas  Saldanha, representante  no  Apodi  da  Aliança  Liberal e do  governo  estadual, mesmo  quando  aquele  chefe  governista  o  quis  obrigar  a  engolir  uma  reportagem   publicada  no  jornal  "A  RAZÃO", jornal  perrepista, contrário  ao  governo  da  Aliança  Liberal, não  acontecendo  a  violência   graças  à  intervenção  de  Deca  Cavaco, outro  bravo  apodiense.

Lucas  Pinto  foi  o  maior  sucesso  administrativo  já  experimentado  no  Apodi  quando  ele, na sua  fase  inicial  à  frente  da  Prefeitura  Municipal, na  década  de  trinta, empossou-se  no  cargo  de  Prefeito, no   dia  02  de  Fevereiro  de  1936, realizando, além  de  outros, os seguintes  importantes  melhoramentos:
         
01) Reforma geral com acréscimos no Cemitério Público da sede, sem afetar as suas linhas originais, respeitando até mesmo aquela velha expressão latina que sempre existiu acima do portão de entrada, e que significa: "Conhece-te a ti mesmo".
02) Reforma, com acréscimos, no cerco da cidade;
03) Construção de bem alinhadas calçadas de cimento, em substituição às antigas de tijolos e com alturas e larguras variáveis, embelezando com esse trabalho, as Rua São João Batista e N. Sra. da Conceição, no centro da cidade;
04) Reconstrução e melhoramentos no Mercado Público da sede;
05) Reconstrução com acréscimos e melhoramento no Matadouro Público da sede;
06) Instalação do serviço de iluminação elétrica pública e domiciliar, que era acionado por um locomóvel à vapor.

A segunda fase de Lucas Pinto, à frente da Prefeitura, ocorreu na década de quarenta, tendo ele tomado posse em 19 de Março de 1946. Luquinha de Dodô, que hoje descansa na Paz de Deus, merece a nossa admiração."


Historiador e Escritor apodiense José Leite

 NOTA:  Entre  as  diversas  produções  poéticas  de  caráter  político, produzidas  pelo  renomado  e  celebrado  historiador  conterrâneo  JOSÉ  LEITE, existe  uma  que  era  cantada  na  melodia da  música  "Lua  Feiticeira", nos tempos  do  Partido  Popular  e  da  Aliança  Liberal  e que fazia  o  elogio  de  Francisco  Pinto,  assim:
                             "Pelabuchos,  desgraçados,  malfazejos,
                               Vossos  maiores  desejos,
                               Era  acabar  com  o  nosso   Estado.
                               E, agora, no   movimento  extremista,
                                A  canalha  aliancista
                                Deixou  o  banco   roubado.
                                           . . . . . . . .
                                E, agora, devemos  honrar,
                                As  cinzas  de  Francisco  Pinto,
                                Mártir  pelo  Popular.
                                            . . . . . . . .
                                Eu  te  bendigo, glorioso  Popular,
                                Pela  paz  que  queres  dar,
                                Aos  lares  do  Poti.
                                E  bendigo  o  herói  martirizado,
                                Que  morreu  assassinado
                                Pela  glória  do  Apodi.
                                        ESTRIBILHO
                                E, agora, devemos honrar,
                                As  cinzas   de  Francisco  Pinto,
                                Mártir  pelo   Popular.

Do livro "FLAGRANTES DAS VÁRZEAS DO APODI", Autor: JOSÉ LEITE. Coleção Mossoroense - Livro VI - Vol. DCXXXV - Série C - Ano 1991. gentilmente cedido pelo historiador Marcos Pinto.
Copiado do: Potyline

Nenhum comentário: