Pesquisar neste blog

sábado, 13 de abril de 2013

Rosas que falam - Mônica Freitas

Tímidas cores caladas;
ou vibrantes cores que falam.
São rosas, são flores, e sonham.
O cheiro, às vezes suave;
ou forte... que sempre exalam.

As pétalas da rosa-mãe;
macias sempre.
Prometem acariciar
A pele dos seus renascentes.
Se tristes, sofrem e choram,
Murcham sem seu acalento,
morrem sem seu alimento.

Em mar de alegria se envolvem;
nos evasivos momentos;
que o amor revela a vida,
a paz e a alegria
e abatem seus sofrimentos.

Ornam os diversos sonhos;
colorem os espaços sombrios
avivam os olhos dos homens
com suas belas magias.
Mas também embalam a morte;
se esmeram para renascer
diante dos desafios.

Revivem-se em botões
para se tornarem flor.
Se desmancham em pedaços
Para andar junto ao amor.
Por isso, logo refazem
tudo que o mal matou.

Não são plantas, são raízes
de todas as gerações.
São mães, são filhas, são flores;
São rosas e são mulheres
Que ajudam a despertar
O amor nos corações

Nenhum comentário: