Pesquisar neste blog

sexta-feira, 29 de março de 2013

Rascunho - Mônica Freitas


Difícil é sentir o peso da vida sem saída.
Não sabemos mexer os dedos da alma
O desespero deixa a pele dolorida
Ficamos o tempo inteiro inativos, sem calma

Não temos fome, nem pensamos na vida
corremos ao vento solto, isolados do mundo ativo
Fazemos planos, desejamos viver sem comida
O coração parece nem estar vivo

A fome não vive com a tristeza em punho
somos falsos, somos pobres, somos fracos
O sonho se perde e passamos a viver o rascunho

O rascunho do amor, da felicidade, do fulgor do céu
Perdemos o cântico da vida alegre e morremos
Nada é concreto porque sustentamos os sonhos ao léu.

Nenhum comentário: